Tudo que você precisa saber sobre brigadeiro

Recentemente a Ana Maria Braga resolveu torturar a audiência com mais um concurso O Melhor Brigadeiro do Brasil, no Mais Você, e dessa vez eles selecionaram receitas realmente interessantes, que me fizeram babar muitos litros na frente da TV. Foi aí que eu pensei: pre-ci-so fazer um post com tudo o que as pessoas devem saber para fazer o melhor brigadeiro das suas vidas. Estou falando de qualquer tipo de brigadeiro, do mais básico e tradicional ao mais nobres e criativo (o famoso brigadeiro gourmet).Se você ler até o final, considere-se graduado(a) em brigadeiros!

Vai ser um post longo, praticamente um curso gratuito. Então, se preferir, vá pulando de título em título até onde achar que te interessa mais, combinado? Então vamos lá.

Tudo o que eu vou escrever aqui, aprendi na prática fazendo muitos, mas muitos brigadeiros em meu antigo ateliê.

Também ensinei várias pessoas que passaram a fazer disso o seu ganha-pão. Vender brigadeiros sempre foi uma alternativa fácil para quem precisa de uma renda complementar. Quem nunca comprou um docinho de algum colega na escola ou na faculdade? Com o surgimento dos brigadeiros gourmet, esse virou um negócio realmente lucrativo para muita gente.

Este post não vai te ensinar a abrir um negócio, porque tem muitas coisas que você precisa saber para empreender e ter sucesso além das receitas de brigadeiro, mas com certeza vai te ajudar a criar sabores novos e exclusivos, se for isso que você busca. Óbvio, ninguém precisa vender os brigadeiros incríveis que vai fazer, pode ser para consumo próprio apenas!  Este post é para todo mundo. 🙂

banner-300x250-curso-ceia-iniciantes

Antes que seja tarde: este também não é um post de receita, o objetivo é que você aprenda o que precisa saber para criar a(s) sua(s) próprias receitas. Porém, como eu sei que vocês gostam muito de receitas prontas, vou organizar as minhas melhores e enviar por e-mail para os interessados. Então, já deixa aqui seus dados para recebê-las em breve!



Diferenças entre o brigadeiro tradicional e o brigadeiro gourmet

Antes de qualquer coisa, vamos colocar os pingos nos is.

O brigadeiro tradicional é aquele sem frescura, que você comia na sua infância (se bem que menores de 15 anos podem ter comido brigadeiros gourmet desde sempre…), que ainda hoje é fácil de encontrar numa festa infantil sem pompas ou na padaria. É o verdadeiro brigadeiro, o “brigadeiro raiz”! Enrolado com açúcar (saudades da minha vó Mira que me deu agora) ou com o granulado mais fajuto do mercado. Aquele que deveria ser feito com manteiga e chocolate em pó, mas muita gente acaba optando por achocolatado e margarina mesmo, seja por desconhecer a diferença entre esses ingredientes ou porque é o que a grana consegue pagar. É o brigadeiro que você aprendeu a fazer em casa, em qualquer panela mesmo e, por isso, de vez em quando (ou sempre) queima no fundo e ele fica com aquelas bolinhas que grudam nos dentes e arrancam suas obturações, mas você tem a cara-de-pau de dizer que gosta assim. É um brigadeiro totalmente humilde e sem muitas técnicas para o seu preparo, sendo essas duas as únicas: mexa sempre em fogo baixo e espere soltar do fundo para saber que está no ponto de enrolar.

Sabe qual é esse brigadeiro que eu estou falando? Esse coitado que sofre tanto preconceito, que não é bem-vindo nos buffets mais chics, porque é considerado doce de pobre? Primo da coxinha de galinha e do pastel de queijo, muitíssimo injustiçados!

Parece que o jogo virou, não é mesmo? Agora é fácil encontrar um brigadeiro dividindo a bandeja com trufas e macarons, graças à repaginada que ele sofreu uns anos atrás. Hoje você pode escolher qual tipo de brigadeiro quer: raíz ou Nutella. Vou te contar como aconteceu.

O nascimento do brigadeiro gourmet e suas diferenças

O nosso querido brigadeiro ganhou o status de “gourmet” quando  ingredientes mais nobres começaram a ser usados no seu preparo, abrindo a possibilidade de criar novos sabores, cada vez mais elaborados e com a apresentação mais bonita e criativa. Por exemplo:

  • O antigo achocolatado (ou chocolate em pó, para quem já caprichava na receita) foi substituído por chocolate em barra ou pelos callets (têm o formato tipo de moedinhas de chocolate, o que facilita na hora de derreter);
  • A qualidade do leite condensado passou a ser indiscutível, não há qualquer possibilidade de se usar um leite condensado “marromeno” para fazer um brigadeiro gourmet;
  • A manteiga passou a ser de primeiríssima qualidade e substituída, muitas vezes, por creme de leite;
  • Os tradicionais confeitos granulados de chocolate, que de chocolate não tinham nada, deram lugar para flocos quadradinhos de chocolate belga que derretem na boca (os splits).

Acho que a diferença visual e gustativa mais marcante do brigadeiro gourmet, de início, foi mesmo a substituição dos confeitos de chocolate. A primeira vez que a gente vê e experimenta um brigadeiro coberto com aqueles quadradinhos de chocolate belga, nunca mais esquece. Na época em que eles surgiram, fiz aqui um post especial ajudando as pessoas a encontrarem lojas que vendem produtos Callebaut em todo o Brasil.

A belga Callebaut é até hoje a marca que tem os melhores produtos para a produção de brigadeiros gourmet no Brasil, começando pelos granulados quadrados de chocolate belga inconfundíveis (além de outros tipos de chocolates para confeitar), passando por uma ótima gama de chocolates em barra, em callets (esse nome era uma novidade para todo mundo anos atrás, agora você também conhece) e em pó, pelo cacau em pó (inclusive alcalinizado, que jajá eu explico) e até recheios prontos e pastas de sabores variados que passaram a ser usados para saborizar as massas dos brigadeiros. Inicialmente, era bastante difícil de encontrar produtos Callebout e ainda não se vê em qualquer lugar hoje em dia, somente em boas lojas especializadas em confeitaria.

Além da cobertura de chocolate belga, que tinham formatos e sabores variados, também surgiram outras ideias como castanhas, nozes, amêndoas, lascas disso, daquilo e tudo mais que pudesse acrescentar sabor e textura especiais para a massa do brigadeiro e ainda deixar a apresentação incrível. Está certo que nossas mães, tias e avós sempre fizeram docinhos enrolados em outras coisas e não apenas no tradicional granulado de chocolate, mas com os brigadeiros gourmet o papo é outro. Se for para enrolar no açúcar, que seja para passar um maçarico e chamar de brûlée, por exemplo.

Pois é, a apresentação é a alma do negócio gourmet. Um brigadeiro gourmet de verdade precisa parecer uma pequena joia. Não pode ser muito grande, mal enrolado, com falhas na cobertura e muito menos ser colocado em uma forminha amassada ou com cara de barata. Muitos até usam várias forminha por vez, para que fiquem mais firmes.

Encontrei este exemplo com mais de uma forminha, é um brigadeiro de cookies da Vovó Brigadeiro, que fica em Gramado – RS. (São todos lindos, fiquei babando no site!)

Embalagens criativas, potinhos fofos para brigadeiros de colher e tudo o que pudesse agregar valor ao doce foi aparecendo e, quando percebemos, estávamos pagando caro por eles.

Ah, claro. O preço é outro traço importante do brigadeiro gourmet. Ele pode custar 10 vezes mais do que um brigadeiro comum, facilmente.

Embalagens da Maria Brigadeiro

Embalagens da pioneira Maria Brigadeiro que ditaram moda.

Para quem pretende vender!
Bem, eu que trabalhei no ramo preciso deixar uma coisa clara aqui. Embora a margem de lucro seja boa, não tem como ganhar muito dinheiro com a venda de poucos brigadeiros gourmet, porque esses ingredientes são muitíssimo caros e o custo de produção é alto. É preciso vender uma grande quantidade para valer a pena o trabalho, que não é pouco. Então, se você for montar um negócio (aproveitando que a Ana Maria promove os brigadeiros de vez em quando em seu programa, hehe!), não pense que mais vale fazer brigadeiro gourmet do que o tradicional por serem vendidos mais caro. Eles também custam mais caro e são mais difíceis de produzir, então planeje-se muito bem antes, faça as contas direitinho e se prepare para uma grande produção!

Lembro bem de ver alguns concorrentes pisando na bola (e ainda vejo). Como eu trabalhei com os brigadeiros e os conheço profundamente, percebia que alguns “trapaceavam” colocando farinha de trigo na massa, por exemplo. Ela ajuda a dar ponto mais rápido e acelera a produção, mas deixa sabor de farinha, muda a textura e, na boa, isso não combina com o conceito de “gourmet”. Tinha muita coisa feia por trás daqueles brigadeiros caros, vou contar mais uma delas logo a seguir!

Brigadeiro belga

Eu acho que hoje em dia já não se usa mais esse nome, mas na época (coisa de 7 anos atrás) era comum ver pessoas vendendo “brigadeiro gourmet belga”. Isso significa que todo (eu disse todo) o chocolate usado na sua preparação é de origem belga. Não basta ser enrolado em splits de chocolate belga (da Callebaut, no caso), precisa levar um legítimo chocolate belga na massa. Só que como você deve imaginar, a maioria das pessoas usava o mais brasileiro dos chocolates, passava nos splits da Callebaut e vendia com o nome e preço de “brigadeiro belga”. Desonesto, você não acha?

Aliás, acho muito engraçado isso de “brigadeiro belga”. Gente, nada é mais brasileiro do que o brigadeiro (e a mandioca! 🙂 ). Eu sei que é importante comunicar que o chocolate usado é de uma qualidade incomparável, mas é tão estranho chamar nosso brigadeiro de “belga”! haha!

Agora vamos à parte mais prática deste post, que trata diretamente da preparação do brigadeiro.

Dicas para fazer brigadeiro

Aqui tem dicas do universo do brigadeiro como um todo e com certeza vai te fazer um(a) expert no assunto, independente se você quer apenas fazer o melhor brigadeiro para comer debaixo das cobertas ou se quer dominar o mundo vendendo seus doces.

Panela para brigadeiro

A melhor panela sempre será aquela com o fundo mais grosso, a mais pesadona e que distribua melhor o calor (a mais cara, também). Isso vai evitar que seu brigadeiro queime no fundo e, dependendo da sua panela e da sua prática com ela, você nem vai precisar mexer o tempo todo.

Se puder ter uma panela exclusiva para preparar doces na sua casa, tenha! Vou explicar.

Se você enfiar a cara dentro das suas panelas e respirar fundo, vai perceber que, lááá longe, elas guardam um pouco do cheiro das comidas, especialmente dos refogados. Esse cheiro não está ali à toa, são moléculas voláteis de substâncias residuais de alimentos que não foram completamente limpas da panela (as que têm superfície porosa são ainda mais difíceis de limpar). É claro que elas vão querer nadar no mar de brigadeiro e, da mesma maneira que você sente o cheiro delas quando a panela está vazia, poderá ser capaz de percebê-las no meio do seu doce.

banner-300x250-curso-ceia-iniciantes

Colher para mexer brigadeiro

Dizem que a melhor colher para fazer brigadeiro é a colher de pau. Sinceramente, eu acho que isso tem mais a ver com memória afetiva das pessoas do que com outra coisa. A verdade é que qualquer utensílio que não arranhe a superfície da panela e que seja capaz de raspar bem o fundo e os cantos (principalmente) será sempre a melhor opção. Eu uso normalmente uma espátula de silicone que, pelo mesmo motivo que expliquei sobre as panelas, uso somente para doces. Recomendo que faça o mesmo!

O brigadeiro precisa ser mexido constantemente, especialmente quando a sua panela não tiver fundo grosso. Por isso, um utensílio realmente eficiente para movimentar a massa e tirá-la do contato direto prolongado com a panela, é extremamente desejável. Se o brigadeiro ficar parado num canto, por exemplo, vai ficar recebendo calor sem parar e pode acabar queimando. É importante que toda a massa receba calor de forma homogênea, por isso temos que ficar ali no mexe-mexe sem parar, para que ela circule bem. Entendeu?

Para quem pretende abrir um negócio, saiba que colher de pau é proibido em cozinha industrial!

O melhor leite condensado para fazer brigadeiro

Olha, eu vou ser bem direta e sincera. A menos que você não possa comprar o leite condensado da Nestlé, que é sempre o mais caro, prefira ele. Não tem como questionar que o sabor e a textura do tradicional “Leite Moça” são os melhores e resultam nos melhores brigadeiros.

Se você quiser testar outras marcas, tente escolher o que tiver mais gostinho de leite. Se for para vender os seus brigadeiros, escolha aquele que estiver mais de acordo com o produto que você quer oferecer, especialmente em relação ao preço.

Eu já tive também um restaurante delivery e usava leite condensado para fazer uma das sobremesas, que era um strogonoff de chocolate. O molho era tipo um brigadeiro cremoso bem suave e os pedaços eram de brownie e outros ingredientes, conforme desejasse o cliente. Como não precisava dar ponto de enrolar e o mais importante era mesmo o sabor, achei que o da Itambé foi a melhor opção, pois era bem gostoso e mais barato. Sempre vale a pena fazer testes quando você vai produzir em maior escala. Agora… Se for para fazer brigadeiro para você comer, aí compre o melhor que seu bolso puder pagar!

Leite condensado sem lactose e  vegano

Acredite se quiser, mas descobri que sou intolerante a lactose com 30 anos de idade, depois de já ter tido um ateliê de brigadeiro. Eu ainda como o brigadeiro com o leite condensado comum, se estiver em casa, por exemplo (porque a diarreia é certa!!!). Deveria tomar a enzima que nos ajuda na digestão da lactose e ficaria mais livre, mas não tenho esse hábito. Por ter convivido tantos anos com a dor de barriga, acabei me acostumando com essa situação. Está certo? Claro que não, mas é assim que funciona na prática, rs! Se me encontrar numa festa com um doce feito de leite (com lactose) na mão, saiba que a minha barriga estará estufada e dolorida, mas estarei feliz e controlando a quantidade para que possa esperar até chegar em casa. Mas se me vir tomando um copo de leite, saia da frente. >.<

Isso tudo para dizer que vale a pena saber um pouco mais sobre as alternativas que existem ao leite condensado tradicional, tem muita gente que não se sente bem comendo ele e que ama brigadeiro.

Se você for intolerante também, hoje tem mais de uma marca de leite condensado sem lactose no mercado. Antes de me mudar do Brasil, já tinha experimentado o da Piracanjuba, da Itambé e da Italac e gostei de todos. Acho que não dá para ser muito exigente enquanto a Nestlé não tomar vergonha a lançar o Leite Moça sem lactose para servir de comparação. Nenhum deles foi ruim, isso eu tenho certeza absoluta, mas não cheguei a formar uma opinião de qual é o melhor, justamente pela péssima mania de comer o leite condensado normal. Então, não posso ajudar com a questão das marcas para os leites condensados sem lactose, infelizmente.

Provavelmente você não sofre desse problema, mas se for receber alguém que não possa ingerir lactose, use um leite condensado especial e preste atenção nos outros ingredientes, porque todos os laticínios precisam ser sem lactose ou devem ser substituído por opções vegetais. Observe a composição do chocolate também. Todo cuidado é pouco, é terrível para quem sofre com esse problema e pode ser grave, até.

Agora, se o problema for APLV (que é uma reação do sistema imunológico às proteínas do leite), nada tem a ver com a lactose (açúcar do leite), então não adianta usar produtos sem lactose e é preciso redobrar o cuidado com os produtos que vai usar, porque as reações podem ser ainda mais graves. Eles não podem conter leite de vaca, então sugiro que escolha os mesmos produtos especiais que usaria para uma pessoa que não consome leite.

O brigadeiro para pessoas que não consomem nada de origem animal na alimentação, inclusive o leite (que são os veganos e os vegetarianos estritos), pode ser feito com qualquer leite condensado vegetal (acho que não preciso dizer, mas por via das dúvidas: aqui, no caso dos vegetarianos estritos e veganos, não ter lactose no leite condensado não muda em nada, porque continua sendo feito de leite, néam?). Claro, preste bastante atenção na composição dos outros ingredientes, não trapaceie o amiguinho.

Você encontra com mais facilidade no mercado o leite condensado de soja (eu nunca experimentei), mas em lojas especializadas tem outros tipos, que são sempre muito caros. Sinceramente, a internet está cheia de receitas caseiras para você fazer seu próprio leite condensado vegetal a partir do leite de um monte de coisas boas, com certeza você vai encontrar a melhor opção para seu brigadeiro. Fica maravilhoso com castanha de caju, macadâmia, coco e mais um monte de delícias que servem para fazer leite vegetal.

Antes de terminar este tópico, acho importante dizer que o uso de leites condensados vegetais variados pode abrir um mundo encantado de ideias de receitas muito mais incríveis do que se fossem feitas com o leite condensado de vaca, tradicional. Está certo que o brigadeiro clássico é feito com ele, mas estamos em 2018 e já até passamos pela era do brigadeiro gourmet, então já podemos inovar ainda mais!

A melhor manteiga para fazer brigadeiro

Manteiga ou margarina?

Como o título disse, “a melhor manteiga para fazer brigadeiro”, é a manteiga mesmo! Muitas pessoas não entendem a diferença entre manteiga e margarina, mas elas não têm nada em comum.

A margarina é um creme vegetal artificial, vendido por muitos anos como uma opção melhor e mais saudável do que a manteiga, o que fez com que muitas pessoas, especialmente as mais velhas (que acompanharam essa parceria próspera da indústria com a ciência), ainda optem por ela nos dias de hoje.

Nós já sabemos que as margarinas são péssimas para a saúde, mas nem vou entrar nessa questão; vamos adiante porque este post será o mais imenso da história deste blog. No brigadeiro, a margarina dá brilho e textura, mas o sabor dela estraga o conjunto.

A manteiga é um laticínio (é feita a partir do leite) assim como o leite condensado. Os dois juntos se combinam muito bem, acentuando o sabor de leite um do outro e criando uma textura aveludada única, além de um brilho bonito. Tem pessoas que pensam que a manteiga é usada para evitar que o brigadeiro grude na panela, mas quem faz isso é você, mexendo.

Nem precisa usar manteiga, se não quiser. Você sentirá um sabor mais doce e uma textura menos interessante, mas ficará gostoso mesmo assim! Porém, se for usar e puder pagar um pouco mais caro, escolha sempre uma manteiga tipo “Extra” e sem sal!

A função da gordura que eu acho mais insubstituível nessa mistura é amenizar a doçura do leite condensado e fazer com que o brigadeiro fique menos enjoativo.

Atenção que a manteiga é um laticínio e merece a mesma atenção que o leite condensado quanto às restrições alimentares. Como eu disse no tópico anterior: atente-se para todos os ingredientes, inclusive o chocolate, que vou abordar em seguida.

Substitutos para a manteiga: creme de leite, ghee e azeite

Seguindo a linha de que a presença de uma gordura ajuda a melhorar a textura e acrescentar sabor ao brigadeiro, além de despistar a doçura do leite condensado, existem outras opções interessantes além da manteiga.

Brigadeiro com creme de leite

Existem outros tipos e apresentações de cremes de leite, aqui vamos falar apenas do creme de leite de caixinha e do creme de leite fresco (aquele que fica junto da manteiga no refrigerador do supermercado), que são os mais usados nas receitas de brigadeiro, pois são bem mais difíceis de talhar ao serem levados ao fogo (cada um por um motivo diferente, mas não vamos entrar nesses detalhes técnicos agora).

Primeiro, é importante dizer que o creme de leite é a principal matéria-prima na produção de manteiga. Resumidamente, bate-se o creme de leite até separar toda a gordura (que é a manteiga) do leitelho (o buttermilk).

Portanto, o creme de leite tem uma concentração de gordura menor do que a manteiga, mas contribui nas receitas de brigadeiro com sabor e cremosidade. Fica mais demorado para dar ponto, por conter líquidos que precisam evaporar ao longo do preparo.

Como o creme de leite sempre tem uma concentração de gordura menor do que a manteiga, você não vai achar o brigadeiro tão brilhoso quando fizer apenas com creme de leite, independente de qual for. Também poderá ter mais chances de cristalizar a massa, afinal é a gordura que ajuda a evitar que os cristais de açúcar se formem.

O creme de leite de caixinha costuma ter de 17% a 25% de concentração de gordura. O creme de leite fresco, em torno de 35%. Então, a princípio o creme de leite fresco seria o mais indicado para o preparo do seu brigadeiro. No entanto, o creme de leite de caixinha tem a vantagem da praticidade de armazenamento e maior durabilidade. O baixo percentual de gordura pode ser contornado acrescentando manteiga à receita.

Eu produzi muitos brigadeiros usando apenas creme de leite de caixinha na receita e só depois de algum tempo é que percebi que a manteiga poderia ser um bom complemento. Não que os brigadeiros fossem ruins antes dela, longe disso! Pelo contrário, eles eram deliciosos. Mas de fato o acréscimo de gordura faz diferença. Sugiro que você faça o teste com a receita base de brigadeiro gourmet que vou dar mais adiante, que é exatamente a que eu usava no meu ateliê. Faça com e sem a manteiga e depois em conte o que achou.

Brigadeiro com Ghee

A ghee é um tipo de manteiga clarificada e isso nada mais é do que pura gordura da manteiga. Para conseguir isso, é preciso separar e retirar os sólidos da manteiga, que são todos os outros componentes que ela tem, fora o óleo.

Entre esses componentes, estão, principalmente, a lactose e a caseína, que são o açúcar e a proteína do leite, os quais precisam ser eliminados da alimentação de algumas pessoas que não podem consumi-los, como mencionei no tópico “O melhor leite condensado para fazer brigadeiro”. Portanto, pessoas intolerantes a lactose ou alérgicas à caseína (APLV), podem comer brigadeiros feitos com ghee!

Você encontra a ghee principalmente em lojas de produtos naturais, mas costumam custar um pouco caro. Para economizar, faça em casa!

Brigadeiro com azeite

A primeira vez que ouvi falar em brigadeiro com azeite foi quando eu era criança. Minha avó leu a receita do brigadeiro que ia fazer para nós (nunca vou me esquecer, era uma receita que veio no manual do micro-ondas) e eu quase vomitei quando ela mencionou “azeite”. Ainda tinha outro ingrediente que me chocou: gema de ovo.

Depois de uma vida inteira sem ouvir mais “essa barbaridade” (foi assim que ficou registrado na minha mente), voltei a me deparar com a ideia de usar azeite no brigadeiro há alguns anos, por ser uma alternativa saudável à manteiga e porque as marcas de azeite contrataram bons profissionais de marketing, que criaram campanhas para nos ensinar a usar o azeite corretamente e com criatividade.

Para usar em seu brigadeiro, escolha um azeite extravirgem de boa qualidade, eles são a melhor opção para a doçaria em geral (se quiser fazer outras receitas com azeite, já sabe!). Quanto mais suave for seu sabor, menos ele será percebido no seu brigadeiro.

A quantidade de azeite para cada lata de leite condensado pode ser de 2 colheres (sopa).

Achocolatado, chocolate em pó, cacau em pó ou chocolate em barra?

Vamos lembrar que o leite condensado é feito basicamente de leite e açúcar e, por isso, já é bastante doce. Para ele virar brigadeiro, ainda vai perder líquido e ficar mais concentrado, ou seja, ainda mais doce. Os outros ingredientes precisam equilibrar o sabor do seu brigadeiro, certo? Então o ideal seria acrescentar o chocolate sem adicionar ainda mais açúcar.

Use achocolatado só quando não tiver outra opção, vamos combinar assim? É que ele tem açúcar pra caramba na fórmula e, além de deixar o brigadeiro muito doce, pode deixar a textura açucarada, daquele jeito que parece que você colocou areia na panela. Tenho certeza absoluta que você sabe do que estou falando.

Também creio que você já deva ter feito brigadeiro com achocolatado antes e que pensou enquanto misturava: “mas fica branco assim mesmo?”. Normal achar estranha a cor, porque na verdade tem bem pouco chocolate e muito mais açúcar do que você imagina em cada colherada da maioria dos achocolatados. Aí, o que qualquer pessoa faz para adquirir a tonalidade esperada de um brigadeiro? Lasca mais não sei quantas colheradas de achocolatado, até parecer que tem chocolate suficiente. O resultado é óbvio: aquele brigadeiro doce de arrepiar e com uma textura granulosa.

O chocolate em pó é uma opção melhor do que o achocolatado. Experimente uma vez e verá a diferença. No entanto, o chocolate em pó também tem açúcar.

Uma opção em pó sem açúcar, que pode resultar em um brigadeiro menos doce e mais chocolatudo, é o cacau em pó. Ele não leva açúcar na fórmula e você precisa colocar uma quantidade bem menor do que o chocolate em pó para chegar à cor desejada.

No entanto, muitas pessoas têm uma certa desconfiança quanto ao cacau em pó, porque ele pode deixar as receitas mais amargas do que doces, conforme a quantidade que for utilizada. Para isso, existe uma saída e é a que eu mais amo ter na minha despensa: o cacau em pó alcalinizado!

Eu vou adorar falar mais sobre os tipos de cacau (natural e alcalino) em um outro post, porque isso vai mesmo fazer diferença para quem gosta de fazer bolos de chocolate, por exemplo. Mas aqui, vou me limitar ao que interessa. Se você tiver despertado interesse nesse assunto, deixe-me saber nos comentários!

O cacau natural tem um pH ácido e o cacau alcalino, como o próprio nome diz, um pH alcalino (química básica, lembra ainda?). A acidez do cacau em pó natural faz com que ele seja mais amargo no seu paladar e, fora isso, esse tipo de cacau em pó tem também uma coloração um pouco clara. Já o cacau alcalinizado, tem um sabor mais suave e a cor mais intensa. Essas diferenças significam que usando o cacau alcalino para preparar seu brigadeiro, você vai conseguir com que ele tenha mais cara e sabor de chocolate sem que, para isso, precise ser amargo!

Entendeu essa dica? Você precisa conhecer logo o cacau em pó alcalino! Por estar se popularizando cada vez no país, as marcas brasileiras também estão produzindo esse tipo de cacau e não será difícil encontrar para comprar (até alguns supermercados já vendem, mas em lojas especializadas em produtos de confeitaria é bem mais certo). As marcas importadas já trabalham com esse tipo de produto há mais tempo, mas era tão pouco explorado que só conhecia esse produto quem trabalhava com confeitaria.

Os chocolates em barra também são uma opção muito interessante para preparar seu brigadeiro, ainda mais se estiver buscando uma receita criativa. Só para você saber, o chocolate em barra tem um monte de outros ingredientes além dos que leva o chocolate em pó (leite em pó, gordura vegetal e emulsificantes e por exemplo). É claro que isso vai interferir na textura do seu doce desde quando o chocolate derreter até quando ele estiver pronto – e até depois disso. Mas, olha, não é nada difícil de se controlar e eu mesma usei chocolate em barra (ou callets) um milhão de vezes no meu ateliê. No entanto, sempre optava por usar também o creme de leite no lugar da manteiga e ainda tinha um outro pulinho do gato. Não se preocupe, vou ensinar lá na frente uma receita base de brigadeiro gourmet para você começar a brincar com as barras de chocolate, mas uma coisa é certa: não tem como dar tão errado a ponto de ficar incomível! Então, mesmo que você não escolha ir pelo caminho das pedras que eu vou dar, com certeza irá se deliciar com brigadeiros que deram certo e que deram errado ao longo da sua jornada.

Particularmente, eu amo o brigadeiro tradicional, mas também adoro criar brigadeiros diferentes, assim como a gente pode fazer com outras coisas: bolos, pavês, sorvetes, mousses etc. Isso é possível nos brigadeiros graças à possibilidade de usar ingredientes diferentes daqueles que já usávamos há décadas. As barras de chocolate são muito interessantes para isso! Você ama Galak, por exemplo? Então faça um brigadeiro Galak. Ama Diamante Negro? Faça um brigadeiro Diamante Negro. Gosta dos dois? Faça um casadinho de Galak com Diamante Negro!

Você pode usar essa variedade de opções para chegar ao sabor perfeito. Eu, por exemplo, gosto de misturar o chocolate ao leite em barra com o meio-amargo e ainda uso o cacau em pó alcalino para equilibrar ainda mais o sabor. Ele é o meu coringa e recomendo que seja o seu também!

O melhor confeito para o brigadeiro

Se for para falar de qualidade e em granulados de chocolate, sem dúvida o melhor é usar os de chocolate de verdade. Se você não tiver acesso aos granulados de chocolate belga da Callebaut, que são praticamente sinônimo de “brigadeiro gourmet”, então faça as suas próprias raspas de chocolate. Você pode usar um descascador de legumes, por exemplo, que é fácil de usar. Se as lascas forem bem feitas, além de mais gostosos, seus brigadeiros ficarão lindos.

Os famosos e antigos granulados de chocolate que dão aquela aparência tão tradicional para o brigadeiro são, na verdade, confeitos de açúcar com sabor de chocolate. Eu sei que têm um apelo afetivo, afinal nos remete à infância. Use quando estiver com saudades dele.

Como uma boa alternativa, a Callebaut tem os vermicellis, que têm essa mesma carinha, mas são feitos de chocolate de verdade. Desconheço outra marca que venda granulados assim, por enquanto.

Vermicelli de chocolate ao leite da Callebaut.

Confeitos coloridos de vários tipos também aparecerão como uma opção para você. Eu não gosto, acho que eles estragam o brigadeiro, porque não têm gosto de nada e ainda são duros. Se você não estiver com essa preocupação (aquele famoso “Ah, é para criança…”), então vai com fé.

São bonitinhos, isso é verdade.

Se quiser investir nas crianças, rs, também tem uma opção divertida dos vermicellis da Callebaut. São coloridos e feitos com chocolate de verdade.

Mais um exemplo da doceria Vovó Brigadeiro, este é feito com os granulados coloridos da Callebaut.

Tem mais um monte de coisas que você pode usar para enrolar seus brigadeiros ou para decorar o brigadeiro de colher. Alguns exemplos mais comuns são: açúcar (do Glaçúcar ao açúcar cristal), chocolate em pó, ovomaltine e paçoca.

Esses produtos vão se comportar de maneira diferente conforme o calor, a umidade do ar e também da massa do seu brigadeiro. Eles podem, por exemplo, puxar a umidade da massa, deixando ela seca por fora e, conforme os dias forem se passando, cada vez mais profundamente. Podem também não suportar o calor e melar. Podem acontecer várias coisas e eu não tenho como prever tudo aqui. Só digo o seguinte: o sabor vai estar lá.

Como eu quero ajudar, vou avisar logo umas coisas para poder dormir em paz:

  • O açúcar vai mudar de aspecto e acabar se transformando numa casquinha mais rígida do que a massa. Tente não enrolar com açúcar demais, para que ela fique delicada e também para que não fique insuportavelmente doce;
  • O Ovomaltine vai melar. Se você for enrolar para servir (ou comer!) logo em seguida, então vale a pena enrolar no próprio Ovomaltine. Se não, esqueça. Escolha o chocolate, por exemplo;
  • A paçoca vai “desaparecer” da superfície do seu brigadeiro e a massa vai ficar mais seca na superfície, porque a farinha que tem na paçoca irá sugar a umidade do seu brigadeiro. É aquela mesma história: se for servir na hora, ainda vale. Se não, opte por amendoim torrado moído em grãos.

Amêndoas, castanhas e nozes ficam lindas laminadas, mas também vão bem quebradas ou trituradas (não muito pequeno). Se forem torradas, serão mais crocantes e seu brigadeiro parecerá fresco por mais tempo. Você encontra esses ingredientes já laminados com uma certa facilidade, mas também pode triturar em casa. O método pode ser qualquer um, mesmo.

O fogo certo para fazer brigadeiro de panela

Fogo baixo, sempre. Se a sua panela for excelente e tiver um fundo bem grosso, pode arriscar um médio/baixo, mas sem deixar de mexer para não queimar. Até dá para não mexer o tempo todo, mas você só vai saber fazer isso sem estragar o brigadeiro quando se acostumar muito bem com a panela.

Não adianta ter pressa para fazer brigadeiro, ele precisa de tempo para ficar pronto. É o processo de preparo dele, não adianta tentar acelerar. Paciência é necessária, essa é uma ótima maneira de exercitá-la!

O ponto do brigadeiro

Brigadeiro de colher

O brigadeiro de colher é mais rápido e fácil de fazer, porque não tem um ponto certo. Claro que se ficar mole demais, não vai ser tão legal, mas acho que você não vai ter problemas em ver quando o ponto estiver cremoso. A massa vai estar densa e sedutora, você vai saber direitinho quando ela te chamar. Não demore muito para atender ao chamado, porque o ponto de enrolar vem logo depois, quando o brigadeiro desgrudar do fundo da panela.

Brigadeiro de enrolar

O ponto de enrolar o brigadeiro pode ser explicado de várias maneiras. A verdade é que todas elas tentam dizer para você quando a massa está suficientemente cozida e reduzida para que possa ser moldada em bolinhas (redução é quando se perde líquido, aquele que evapora durante o preparo). O que ninguém diz é o que acontece depois que ele atinge o ponto, então a gente fica ansioso se perguntando se já chegou lá e com medo de passar do ponto! Só quem dormiu e passou do ponto uma vez na vida é que sabe o quanto isso pode ser horrível.

via GIPHY

Entre o momento em que o ponto de enrolar é atingido e o que o brigadeiro queima, há tempo suficiente para você perceber que já está na hora de parar, pode acreditar.

O melhor jeito de ver com os olhos que deu ponto é quando ele descola do fundo da panela. O brigadeiro quer ficar unido, se você virar a panela para um lado e para o outro, ele vai virar todo junto, numa tijolada só. Se for escorrendo devagar, meio cremosinho e preguiçoso, não está unido o suficiente!

Sei que esse tipo de explicação nunca deixa as pessoas seguras, então vou dar uma dica que usei muito quando estava testando receitas. Eu chamo de “ponto de bala de brigadeiro”, porque foi inspirado na técnica que usamos para testar o ponto da calda de açúcar para fazer alguns doces.

“Ponto de bala de brigadeiro”

Você vai fazer o teste enquanto está com a panela no fogo, tente não esquecer que precisa mexer enquanto isso, rs!

Vai ser rápido, é só pegar um pouquinho do brigadeiro com uma colherzinha e deixar ele cair dentro de uma tigela com água fria. Espere pelo menos uns 30 segundos para ver o que acontece. Pegue a massa com os dedos e verifique o ponto:

  • Se ela se desmanchar na sua mão, pode ter certeza de que não está no ponto de enrolar;
  • Se ela mantiver seu formato, pode ter certeza de que está no ponto de enrolar.

Brigadeiro no micro-ondas

Se você já tentou fazer brigadeiro no micro-ondas, deve saber o que é um brigadeiro derramado.

Quando colocamos o brigadeiro lá dentro e não ajustamos a potência antes de ligar, ele funciona com a potência máxima, que equivale ao fogo alto (não é exatamente isso, mas é tipo isso). Então, seu brigadeiro começa a borbulhar e vai subindo, subindo, até transbordar do recipiente e derramar. Eu já can-sei de fazer brigadeiro no micro-ondas assim, apenas evitava a sujeira usando um recipiente grande e alto. Fiz até um post vários anos atrás sobre isso.

Sabem como é, a vida ensina. Não era difícil deduzir, mas às vezes a gente prefere não pensar e eu também era muito novinha quando comecei a fazer isso sozinha. A textura do meu brigadeiro nunca ficava como eu queria, especialmente depois de frio. Claro, aquele calor intenso formava cristais de açúcar na massa, isso quando ela não ficava mesmo queimadinha.

O segredo de fazer brigadeiro no micro-ondas é regular a potência. Ele não tem que crescer dentro da tigela, tem que ficar lá bonitinho parado. Já você, precisa ficar de plantão para pausar e mexer algumas vezes. É, meus caros, brigadeiro é um doce de paciência, acho que já falei isso…

Eu não sei qual é a potência máxima do seu micro-ondas, então o que posso dizer é que o ideal é você começar a testar o cozimento com a potência média. Se você não souber regular isso, precisa olhar o manual (mas é sempre fácil!).

Outra coisa que eu não posso adivinhar é o que tem no seu brigadeiro, quais são os ingredientes. Por isso, devo dizer que pausar e mexer nunca será demais. Faça isso a cada 30 segundos se puder. Esse intervalo pode variar muito, mas prefiro exagerar para que você não durma no ponto.

Vocês vão conhecer a receita base que eu uso nos meus brigadeiros gourmet (que ainda faço para consumo próprio) e ver que eu pauso para mexer somente a cada 5 minutos! Ora, de 30 segundos para 5 minutos é muita coisa, mas eu uso creme de leite, por exemplo. Se você usar manteiga, sua mistura será bem menos líquida do que a minha e precisará ser mexida em intervalos menores.

Além da potência, outra coisa que é interessante você saber é que o brigadeiro branco escurece muito mais no micro-ondas do que na panela, ficando com uma cor de doce-de-leite. Se por você estiver tudo bem, então tudo bem!

Como congelar e descongelar seu brigadeiro

Especialmente quem faz para vender e quem precisa ter brigadeiro reserva para as horas de desespero (lê-se “TPM”), congelar é um excelente negócio.

Congelamento

O ideal é que se congele a massa inteira (sem enrolar), porque as baixas temperaturas vão alterar um bom granulado de chocolate, deixando ele opaco e com uma textura estranha. Não é que você não possa congelar o brigadeiro que sobrou da sua festa, é que o ideal, se você fizer para congelar, é que deixe para enrolar depois de descongelado.

Não importa se o brigadeiro é para comer de colher ou para enrolar, o importante na hora de congelar é cobrir muito bem a massa para que ela não adsorva os odores do freezer. Você pode fazer isso usando várias camadas de filme plástico, sacos próprios para congelar alimentos, sacos para assar, recipientes refratários ou de plástico próprio para ser congelado. O que vai dizer se uma embalagem é suficientemente isolante é o tempo que você vai deixar seu brigadeiro congelado (o tempo de exposição aos odores) e quais são os alimentos que vão dividir o freezer com ele. Se você tiver produtos que exalam cheiro forte, certamente vai precisar proteger bastante sua massa. Capriche nas camadas de proteção, elas fazem muita diferença.

Em qualquer uma das embalagens que usar, procure não deixar o brigadeiro em contato com ar. Use o filme plástico ou saco para congelar alimentos diretamente sobre a superfície do brigadeiro, mesmo que vá colocar dentro de um pote de vidro. Isso vai ajudar a preservar melhor a cor e textura da sua massa. Se tiver uma seladora a vácuo, melhor ainda!

O tempo de congelamento pode ser longo, mas tendo em conta que a maioria dos congeladores terão outros alimentos junto, eu diria que duas semanas é um limite seguro para a qualidade final. No entanto, um brigadeiro pode ser preservado congelado por até 120 dias, desde que muito bem acondicionado e, de preferência, sem outros odores por perto.

Descongelamento

Descongelar é fácil!

Retire sua massa do freezer e deixe dentro da embalagem e em temperatura ambiente por 1 h ou um pouco mais do que isso (depende da quantidade), até que esteja macia de novo. Você também pode deixar de um dia para o outro na geladeira, vai dar na mesma.

Se for aquele brigadeiro já enrolado que sobrou da festa, o processo é exatamente o mesmo.

Às vezes eu não consigo esperar o brigadeiro descongelar por completo e acabo usando a faca para cortar um pedaço e comer gelado!

Quando tempo o brigadeiro dura dentro e fora da geladeira

Essa é uma das perguntas que eu mais ouvi na época do ateliê.

Conservação do brigadeiro na geladeira

Para começar, volto a dizer que o brigadeiro enrolado com chocolate de verdade pode ficar estranho se conservado em baixas temperaturas, isso inclui também a geladeira. Por isso, não espere que ele mantenha sua aparência, mas saiba que não estará estragado, só esquisito mesmo. Se for coberto com algo sensível à umidade, também vai dar uma enfeiada.

Pelos mesmos motivos que expliquei no tópico sobre congelamento, recomendo que embale muito bem o seu brigadeiro se pretender deixar na geladeira por vários dias. Se isso acontecer por acaso (esqueceu dele lá dentro)  e você não o tiver protegido bem, verá que ele vai ficar com gosto de outras coisas.

As embalagens mais adequadas para a geladeira são as mesmas que mencionei para o freezer: filme plástico, sacos próprios para congelar alimentos, sacos para assar, recipientes refratários ou de plástico. Também é bom evitar o contato da massa com o ar, mesmo que dentro de uma vasilha. Coloque filme plástico diretamente sobre ela.

O tempo de conservação do brigadeiro na geladeira pode chegar a 20 dias, mas, como eu falei sobre o tempo de congelamento e as condições do seu freezer, sua geladeira também pode não ser um ambiente muito propício, normalmente temos um monte de coisas que exalam cheiro dentro dela. Então, diria que 10 dias é um prazo mais seguro quando falamos de qualidade.

Outra medida que pode ajudar e evitar a adsorção de odores é guardar o brigadeiro o mais afastado possível de outros produtos com cheiro forte. Se colocar uma cebola em cima dele, você não estará ajudando!

Conservação do brigadeiro fora da geladeira

O brigadeiro tem uma quantidade de açúcar enorme e baixa atividade de água (papo técnico), o que faz com que não seja um alimento muito perecível. Ele perde qualidade, mas demora um pouco para estragar.

Fora da geladeira, um brigadeiro enrolado pode durar por até 3 dias, mantendo bem sua qualidade. O tempo que leva para ser considerado “estragado” pode ser bem maior, conforme os ingredientes que você usar e, claro, a temperatura ambiente. Um brigadeiro comum (leite condensado, chocolate em pó, manteiga e granulado) pode durar até 20 dias fora da geladeira.

Conserve os brigadeiros em um recipiente fechado, assim ele vai durar mais.

Qualquer sinal de bolor na superfície de um brigadeiro sinaliza que ele está bom para ir para o lixo, ele e todos os outros que estiverem junto.

O segredo das brigaderias: glucose de milho

É claro que tem sempre um segredo e eu adoro revelá-los todos!

A glucose de milho é um xarope pegajoso feito do milho, totalmente incolor e transparente. Ele é usado na confeitaria para adoçar (substituindo parte do açúcar nas receitas), mas sua principal função é evitar a formação de cristais de açúcar. Seria um “anticristalizante”!

A glucose traz maciez, deixa a textura aveludada e realmente ajuda seu brigadeiro a dar certo e durar mais.

A quantidade recomendada para cada lata de leite condensado é de 1 colher (sopa) de glucose de milho..

Antes de manusear a glucose, molhe as mãos. Isso evita que ela grude para sempre em você. Aliás, a mão é mesmo o melhor utensílio para tirar o xarope do pote, mas você pode testar com uma colher molhada e ver se vale a pena.

Dificilmente você vai encontrar a glucose de milho nos supermercados (não confunda com o Karo, que é GLIcose de milho!), mas tem em toda loja de produtos para confeitaria.

Receita base para brigadeiro gourmet

Chegou o grande momento!

Vou dar para você de presente a receita que usava no meu ateliê, conforme prometido em todo o post. Ela é neutra e, como o título diz, é a receita base para todas as outras que criei. Lá no início do post eu coloquei um formulário para você se cadastrar na base de e-mails do Socorro na Cozinha, porque eu vou juntar minhas melhores receitas e enviar para vocês. Todas elas foram feitas a partir desta.

Antes, algumas observações:

  1. A caixinha de creme de leite pode ser substituída por creme de leite fresco, de meia xícara a uma xícara inteira.
  2. A manteiga é de uso opcional, mas complementa bem a taxa de gordura da receita com o creme de leite de caixinha.
  3. A glucose de milho é totalmente opcional, mas recomendo que experimente para ver o efeito dela na textura e conservação do brigadeiro.
  4. O cacau em pó alcalino também é opcional, mas use sempre que desejar intensificar o sabor do chocolate sem deixá-lo mais amargo.

Receita base de brigadeiro gourmet para fazer no fogão

Ingredientes:

  • 1 lata de leite condensado (395 g) de boa qualidade
  • 1 caixinha de creme de leite (100 g)
  • 1 colher (sopa) de manteiga extra sem sal (opcional)
  • chocolate em barra (ou callets) de sua preferência (200 g)
  • 1 colher (sopa) de cacau em pó alcalino (opcional)
  • 1 colher (sopa) de glucose de milho (opcional)

Modo de preparo:

Junte todos os ingredientes na panela perfeita para fazer brigadeiro e leve para cozinhar em fogo baixo.

Mexa o tempo todo, tomando um cuidado especial com as bordas da panela e os cantos no fundo. Cuidado para não acabar descuidando do meio da panela!

Você vai ver os ingredientes se misturarem, amolecerem e bolhas começarão a estourar na superfície. Continue mexendo sempre, até que o brigadeiro comece a reduzir (perder líquido na evaporação) e a encorpar.

Agora você vai escolher o ponto que deseja alcançar.

Ponto cremoso, para comer de colher

Eu gosto de dizer que o brigadeiro avisa quando chegou o ponto de colher, porque é quando você tem mais vontade de experimentar. Mas você pode ver isso de outra maneira.

Se, ao passar a espátula de um lado ao outro, você conseguir ver o fundo da panela, está no ponto. Claro que é para ver com calma, não é um milésimo de segundo! Esse ponto parece de um mingau, você comeu na infância?

Outra forma de testar é colocar um pouquinho dentro de um pote com água fria e esperar por alguns segundos até esfriar. Depois, pegue com os dedos e verifique a textura. Se você não conseguir enrolar porque está mole, está no ponto. Mas se estiver molengo demais, falta mais cozimento.

O tempo de cozimento até o ponto de enrolar pode variar muito, conforme os ingredientes que estiver usando. Para você ter uma base, poderá ser de 15 a 25 minutos, por aí.

Transfira para outro recipiente e espere esfriar em temperatura ambiente, sem mexer. Ou coma logo, se quiser! Esses cuidados são importantes para a textura do brigadeiro, mas isso não importa se a vida dele vai acabar em 10 minutos.

Ponto de enrolar

Para chegar ao ponto de enrolar, você vai ter que passar pelo ponto de colher de qualquer maneira. Continue mexendo sem parar.

Quando a massa se soltar do fundo da panela, está no ponto. Isso não é tão difícil de perceber quanto parece. Se você tiver dúvida, vire um pouco a panela para o lado e veja se a massa não vai escorregar toda solta do fundo.

Outra maneira de testar é colocando um pouquinho do brigadeiro em um pote com água fria. Espere alguns segundos para ele esfriar e pegue com os dedos. Se você conseguir enrolar uma bolinha firme, está no ponto.

O tempo total de cozimento poderá variar entre 25 e até uns 40 minutos, conforme os ingredientes que estiver usando. Por isso, é melhor aprender a ver o ponto do que contar o tempo no relógio.

Tire da panela e coloque em um recipiente para esfriar. Deixe ele quieto em temperatura ambiente, isso é importante para que ele tenha uma boa textura.

Enrole as bolinhas e passe no chocolate ou em outra coisa especial que tiver escolhido e depois coloque em forminhas.

Receita base de brigadeiro gourmet para fazer no micro-ondas

Ingredientes:

  • 1 lata de leite condensado (395 g) de boa qualidade
  • 1 caixinha de creme de leite (100 g)
  • 1 colher (sopa) de manteiga extra sem sal (opcional)
  • chocolate em barra (ou callets) de sua preferência (200 g)
  • 1 colher (sopa) de cacau em pó alcalino (opcional)
  • 1 colher (sopa) de glucose de milho (opcional)

Modo de preparo:

Junte todos os ingredientes em um refratário alto o suficiente para que você possa mexer bem sem derramar, talvez o dobro da altura da mistura.

Como você não vai poder mexer o tempo todo como no fogão, precisa dar um jeito de fazer com que os ingredientes se misturem de forma homogênea. Isso pode ser feito como você quiser, mas eu costumo usar um mixer para facilitar a vida. Bata tudo antes de começar a cozinhar, depois não precisa mais, uma espátula ou fouet (batedor de claras) já são suficientes.

Com os ingredientes bem misturados, leve a tigela para cozinhar em potência média (50%) por 5 minutos. (Sim, você precisa saber regular a potência do seu micro-ondas, é para ontem!)

Ao final dos 5 minutos, misture bem a massa e volte com o brigadeiro para mais 5 minutos em potência média.

Repita o processo até chegar ao ponto desejado.

Ponto cremoso, de colher

Você deverá chegar ao ponto de colher após um total de 15 ou 20 minutos de cozimento. Faça o teste com o pote de água fria: coloque um pouquinho do brigadeiro na água e espere alguns segundos para esfriar. Depois, pegue com os dedos e verifique a textura. Se você não conseguir enrolar porque está mole, está no ponto. Mas se estiver molengo demais, falta mais cozimento.

Ponto de enrolar

O tempo necessário para se chegar ao ponto de enrolar será de pelo menos 25 minutos. Se estiver em dúvida se está na hora de parar, faça o teste com a água fria.

Coloque um pouquinho do brigadeiro em um pote com água fria e espere alguns segundos para ele esfriar. Pegue com os dedos e veja a consistência dele. Se você conseguir enrolar uma bolinha firme, está no ponto.

 

E aí, gostou? Está se sentindo confiante para reinar no mundo dos brigadeiros? Tem dúvidas? Conte tudo aqui nos comentários! 🙂

Summary
Tudo sobre brigadeiros, do clássico ao gourmet
Article Name
Tudo sobre brigadeiros, do clássico ao gourmet
Description
Tudo o que você precisa saber para fazer o melhor brigadeiro do mundo, seja para comer debaixo das cobertas ou para abrir sua brigaderia!
Author
Mostre isso pro mundo:

Quem escreve

Criei este blog em 2007 como quem não quer nada e ele se tornou a melhor coisa que já fiz na vida! Aqui eu compartilho tudo o que sei sobre culinária, conto minhas histórias e ajudo quem precisa das primeiras lições na cozinha.

0 comentários… add one

Leave a Comment