Tempero e marinada para frango assado, peru e Chester

Este é o terceiro post de uma série especial para o Natal com foco nas aves que tradicionalmente servimos nas nossas ceias: o peru, Chester e o frango normalzinho, que nós comemos o ano todo. Escolhi explorar bastante o tema porque é um caso de aventura na cozinha que precisa de conhecimento para dar certo. Não é à toa que os programas Masterchef e o Cozinheiros em Ação (2ª temporada) tiveram a ilustre presença do peru em suas finais. Se ele é um desafio de final de reality show de culinária, é porque vai ser na sua casa também.

Hoje estava com a cabeça longe enquanto realizava uma tarefa do lar (é, fazer o quê?), e acabei pensando que as pessoas poderiam não estar entendendo, num primeiro momento, por que precisam aprender tanta coisa para assar um peru se a propaganda diz que o termômetro indica quando está pronto. Os mais interessados dedicariam um pouco de tempo para ler o post e então entenderiam o motivo. Os menos interessados ou mais apressados, passariam batido.

Agora estou aqui para falar sobre os temperos e acho que o problema se repete. Se as aves já vêm temperadas, não haveria razão para precisar ler dicas sobre o assunto.

As indústrias¹ dizem que são “temperados com ingredientes especiais” e que basta colocar direto no forno para assar. Os que parecem não ter sabor algum adicionado, são na verdade levemente temperados com “uma base de tempero suave para que você possa dar o seu toque especial acrescentando os temperos de sua preferência” (no final deste post tem os links de duas páginas para você conferir os dois casos que estou citando, se quiser).

A gente não espera que as aves tenham aditivos químicos, especialmente quando são comercializadas congeladas. No entanto, checando a lista de ingredientes para ver os temperos que foram usados (né?), nos deparamos com um monte de “palavrões”.

Estamos mesmo longe da primeira metade do século passado, quando as coisas eram bem diferentes. Não encontrei nenhuma ave congelada nos supermercados por onde andei que fosse só ela, sem aditivos ou temperos artificiais. O que nos resta é aproveitar da melhor forma o que temos. Por isso, prefiro escolher pela lista de ingredientes mais reduzida, “dar um trato” na ave (aquele banho bem dado) e acrescentar os meus sabores.

Para quem não tem experiência (estou considerando que seja o seu caso, pelo tipo de blog que você anda frequentando), pode parecer que os únicos temperos que temos na cozinha são: sal, pimenta, alho, cebola e os temperos prontos, que já não uso há tanto tempo que quase me esqueci de citá-los.O mundo vai se abrir quando você resolver explorar as ervas e especiarias, e não vai ter sido a primeira vez. Se você não se lembra, o comércio de especiarias lançou ao mar muitos navios europeus lá no passado, na época das grandes navegações. Pessoas corajosas enfrentavam tormentas e o medo de monstros dos mares para chegar às Índias por rotas marítimas e, se eu pudesse voltar lá e contar para eles que hoje em dia as pessoas passam pelas mesmas especiarias no mercado e sequer estendem o braço para levar um pacotinho para casa, com certeza não acreditariam em tamanho absurdo.

Falei de ervas e especiarias, mas você não tem que saber o que é uma coisa ou outra para temperar sua comida. O que você precisa é combiná-las de uma forma a tornar o sabor do alimento mais rico e nunca escondê-lo. Quando temperamos uma carne, como é o nosso caso aqui, nós devemos procurar sempre respeitar o papel de protagonista do prato: o sabor da própria carne.

O sal realça o sabor do alimento e tem função importante em qualquer tempero, mas devemos tomar cuidado com a quantidade para não deixar que ele fique destacado – fenômeno não raro, popularmente conhecido por “me dá água”. Por isso, não me canso de recomendar que experimente sempre o sal.

“Mas como combinar os sabores?”, você deve estar se perguntando.

Comece a prestar atenção nas combinações clássicas (tipo tomate, manjericão e azeite de oliva; aipo, cebola e cenoura) e naquelas que te agradam. Quando você não souber identificar os ingredientes, pergunte! Vá guardando essas informações para usar na sua cozinha. Agora a gente está em cima da hora do Natal e não vai dar tempo de você montar um catálogo de sabores, mas tenho certeza de que consegue combinar alguma coisa se quiser. Procure confiar no simples, misturar muitos temperos torna a tarefa mais difícil de administrar.

Agora vamos para a parte mais prática de tudo isso. Embora esteja me referindo ao preparo de aves como o peru e o frango, as dicas abaixo sobre marinadas servem para qualquer tipo de carne.

Como temperar frango, Chester e peru para assar

Antes de começar, lave a ave com água abundante, inclusive a cavidade dela. Retire de lá de dentro o saquinho de miúdos (um saco plástico com vísceras, o pescoço e os pés, mais raramente). Guarde para usar em alguma receita ou descarte se ainda não souber como aproveitar – calma, vamos chegar lá. Raspe por dentro se tiver alguma coisa que você sinta que “está sobrando”, mas não fique cavucando muito. Depois de lavar bastante e quando água não estiver mais saindo tão turva, seque bem por dentro e por fora com um papel toalha. Não economize no papel ou ele vai ficar tão molhado que vai começar a soltar pedaços – e você não pretende comê-lo.

Não se esqueça que a sua pia vai precisar ser bem lavada depois, porque gotículas de água do banho da carne crua vão se espalhar, mesmo que você tome cuidado para que não molhe muito. Preste atenção nos utensílios que estiverem por perto, eles também devem ser lavados.

Marinada e salmoura

Mais uma vez vou dizer aquela frase consoladora para quem tem preguiça de ler: não vou me aprofundar neste assunto aqui e agora. Tem muita ciência e controvérsias em torno do tema e merece um post exclusivo, então vou direto ao que importa neste momento, que já não é pouca coisa.

Só para você saber a diferença, porque esses nomes andam sendo muito falados por aí nos programas de culinária, a salmoura é uma solução de água e sal. Diferente da marinada, que é uma mistura líquida e ácida, que pode ter temperos diversos, sal e óleo.

Não é mesmo necessário marinar a ave para que ela tenha sabor e suculência. Você vai conseguir uma textura macia assando corretamente e o sabor é mais fácil ainda, bastando acrescentar os temperos antes de assar.

Sei que você deve ter crescido vendo as carnes da ceia marinando durante dias na sua geladeira (ou até fora dela) e que deve guardar uma certa ansiedade para fazer isso também. Lá no fundo, você pensa que é muito importante para um bom resultado e não adianta eu tentar te convencer de que não precisa fazer nada disso para ter sucesso. É aquela coisa: se eu te disser que a simpatia que você faz no Ano Novo não funciona, você também vai me ignorar. Tudo bem, não sou eu que vou andar com uma nota de um dólar na calcinha ou que vou deixar de comer um peru delicioso, só porque cisca para trás.

Se quiser mesmo seguir por esse caminho, pelo menos use as dicas que vou dar. Já adianto que aqui não tem receita e fórmula mágica para fazer uma marinada, você vai fazer por conta própria, apenas seguindo estes conselhos:

– Testes realizados em cozinhas de todo o mundo já comprovaram que apenas o sal é capaz de ir além da superfície da carne, então nunca deixe de usá-lo na sua marinada. Os outros ingredientes que você pode usar para temperá-la serão importantes se forem ao forno com seu assado e se depois você usar os resíduos que restarão no fundo da assadeira para fazer um bom molho;

– Se quiser muito deixar a ave de molho, vá direto ao ponto certo e faça uma salmoura (água e sal, mais nada). Não tem uma proporção certa entre os ingredientes, apenas deixe a água salgada e afogue o bichinho lá dentro, totalmente coberto. Quanto mais tempo você deixar, melhor. Se puder deixar dois dias, está bom (dentro da geladeira!);

– Se for usar uma bebida alcoólica como o vinho, leve ao fogo em uma panela para o álcool ir embora. Cozinhe até reduzir bastante a quantidade. O álcool não é querido na sua marinada porque resseca a carne. Tudo o que você quer é o sabor da bebida e isso será preservado depois que ele evaporar. Deixe esfriar completamente antes de usar, isso é muito importante!

– Não coloque muita quantidade do ingrediente ácido na mistura (que normalmente são o vinagre ou o suco de limão e outras frutas cítricas). Acidez em excesso e/ou por tempo prolongado vai deixar a carne estranha, granulada;

– Óleos ajudam a dissolver os sabores de algumas ervas que não são solúveis em água, mas eles também não penetram na carne. Use aqueles que não vão ficar sólidos na sua geladeira, como o óleo de canola e de milho, por exemplo (o azeite endurece, caso esteja pensando nele);

– Você sabe que a pele é impermeável (o que seria de nós se não fosse?), então não espere por um milagre. Se marinar já não é tão eficaz quanto você pensava, com a pele cobrindo a carne parece ser menos ainda. Se você resolver “despir” o peru tirando a pele, vai arriscar muito a suculência do peito (lendo os posts que eu indiquei lá em cima fica fácil entender por quê. Se ainda não leu, aproveite e faça isso agora mesmo);

– Para quem quer marinar a carne e está com medo de não saber misturar os ingredientes, tenho uma dica esperta, mas um pouco menos natural. Compre um bom molho de saladas e dilua em água da seguinte forma: 3 partes de molho para 1 parte de água. Antes que você escolha um com sabor Caesar ou de parmesão, fique sabendo que a dica é para aqueles molhos feitos com azeite e vinagre. Para facilitar: quanto mais ralos e transparentes forem, melhor. Procure também um molho sem emulsificantes (analise os ingredientes), porque eles podem fazer você voltar aqui e me xingar (o gosto não vai ser bom depois de assado);

– Uma ave inteira pode ficar marinando por até 3 dias, desde que esteja na geladeira;

– Não faz sentido deixar uma carne marinando sem que esteja toda imersa no líquido e isso é realmente difícil de fazer com um peru de 8 kg, por exemplo, a menos que você retire uma prateleira da sua geladeira e use uma vasilha verdadeiramente enorme. Os sacos de assar (facilmente encontrados nos supermercados), são ótimos para isso. Use dois, para garantir que não vai haver um desastre, caso ele se rompa por alguma razão. Você pode deixar a ave marinando nele, deitada em uma assadeira, mas antes é preciso colocar tudo lá dentro. Para isso, talvez você precise desse balde bonito que tem aí na sua casa (poque acho que nem 2% dos leitores deste blog teriam uma vasilha tão grande – nem eu tenho), bem limpinho e cheirosinho para servir de suporte. Abra os sacos dentro dele – um dentro do outro e com a abertura para cima, claro. Coloque lá a ave, em pé, e depois encha com a marinada até a metade. Retire todo o ar que puder antes de fechar, para que o líquido se distribua em volta da carne. Mesmo assim, é bom virar de vez em quando para ajudar no processo. Não se esqueça de fechar muito bem esse saco!

– Se você está aí se achando a última bolacha do pacote porque tem uma panela de alumínio daquelas de fazer comida para um batalhão e consegue colocar um peru de 8 kg para nadar dentro dela facilmente, tenho que estragar a sua alegria informando que ela não serve para marinar peru, Chester, leitão ou qualquer outra carne. É que o ácido reage com o alumínio e isso vai deixar sua comida com um sabor metálico e com uma cor cinza. Aço inoxidável, plástico, porcelana e vidro (o refratário, que são espessos e resistentes) são materiais mais indicados. Outra vez, o saco de assar é uma boa opção, vá nele!

– Por último e por isso mais importante: jamais coloque a marinada em contato com a carne depois de assada. Você sabe que carne crua oferece riscos de contaminação e, obviamente, o líquido onde ela “se banhou” pode conter microrganismos nocivos à saúde. O mesmo serve para qualquer utensílio que tenha tido contato com a carne crua e com a marinada. Se você pretende usá-la para temperar a carne depois de pronta, leve ao fogo para cozinhar, deixando ferver por alguns minutos, reduzir o líquido (engrossar) e ganhar cor.

Como temperar sem marinar

Contando que você não tenha queimado a carne com álcool e ácido, qualquer coisa que tenha feito aí de cima vai dar certo se considerar os pontos a seguir. Estes sim, são importantes para quem quer ter uma ave bem temperada à mesa:

– Se não for servir a ave com pele, não precisa temperá-la. Os temperos não penetram na pele porque ela é impermeável (lembra?) e não vão acrescentar sabor à carne dessa forma;

– Se for servir com a pele (é o que fazemos quase sempre), tempere e unte com gordura para que ela fique dourada e crocante. Além da textura, uma pele bem torradinha tem um sabor especial. Se você escolher untar com manteiga, use também um pouco de azeite para evitar que ela queime;

– Vale a pena temperar a carne do peito do frango e do peru por baixo da pele, de preferência com uma manteiga temperada (com ervas, sal, alho e pimenta, por exemplo) para deixar a carne mais suculenta e saborosa. Além da função “tempero”, a manteiga colocada desta forma é a melhor maneira de conseguir uma carne suculenta (a esta altura você já leu os outros posts e já sabe disso). Use as mãos para descolar a pele da carne com cuidado (ela é elástica, não se preocupe porque não vai rasgar com facilidade). Pelo “bumbum” da ave e por onde foi cortado o pescoço, você tem acesso e consegue descolar toda a pele do peito, até as coxas. Suje essas mãos, vá com vontade! Depois, enfie o tempero ali por baixo dela e espalhe bem, empurrando a manteiga com com as mãos por fora. Já vi rechearem a pele com patês, linguiças temperadas desmanchadas (basta tirar a película dela) e até com pesto;

– Cubra o peito da ave com fatias de bacon, como se fosse um cobertorzinho. Além de fornecer gordura para proteger a carne do ressecamento e dourar a pele, vai acrescentar um delicioso sabor à carne. Mas, porém, então, todavia, se você for uma pessoa exigente e com o paladar apurado, esqueça esta dica. O bacon tem gosto marcante e pode esconder a delicadeza do sabor de uma boa ave;

– Se você não rechear a pele e nem colocar bacon por cima, pode regar a carne com gordura a cada 30 minutos. Certa vez li num livro de culinária (não me lembro mais qual foi 🙁 ) que esse negócio de ficar regando o assado traz bons resultados porque a pessoa abre o forno toda hora, fazendo com que o calor seja liberado várias vezes durante o preparo e forçando um cozimento prolongado. Faz sentido…

– Use a cavidade dentro da ave para encher de temperos (tenho certeza que você já tirou o saco de miúdos de lá. Né?). Eles vão cozinhar com o vapor lá dentro e levar aroma para a carne. Sem contar que no final você poderá usá-los junto com o fundo da assadeira e fazer um molho perfeito. Inspire-se nestas ideias:

  • sal
  • pimenta-do-reino
  • cebola
  • aipo
  • cenoura
  • tomilho
  • louro
  • salsa
  • orégano
  • alecrim
  • sálvia
  • estragão
  • manjericão
  • alho
  • alho-poró
  • limão siciliano (aquele bonito e amarelo, caso não saiba)
  • laranja (um cítrico mais doce)
  • limão-taiti (o verde que você já conhece, que é mais forte do que o limão siciliano)

– Faça com antecedência. Você pode temperar no dia anterior, deixar a ave prontinha no recipiente que vai assar e então cobrir com um filme plástico (passe mais de uma vez), para deixar na geladeira até o dia seguinte. Faça o mesmo com as outras carnes que também irão para o forno, é uma boa maneira de agilizar o trabalho no dia da ceia. Se não puder temperar sua ave com tanta antecedência, vai dar certo mesmo assim.

Não deixe de preparar um belo peru de Natal ou um Chester suculento por medo de errar no tempero. O molho que você vai servir junto da carne vai ser a cereja do bolo.

Por favor, fotografe seus feitos culinários e use a hashtag #socorronacozinha quando postar nas redes sociais, eu também quero ver!

¹Referências: aqui e aqui.

Mostre isso pro mundo:

Quem escreve

Criei este blog em 2007 como quem não quer nada e ele se tornou a melhor coisa que já fiz na vida! Aqui eu compartilho tudo o que sei sobre culinária, conto minhas histórias e ajudo quem precisa das primeiras lições na cozinha.

Comments on this entry are closed.

  • Mari Liborio

    Nossa, amei o seu blog! MUITO obrigada pelos posts sobre as aves de fim de ano! Se eu abafar no Ano Novo com o peru que vou fazer conforme suas dicas, aguarde fotos, rs.

  • Maria Cristina Costa

    Comprei um peru bolinha. Gostaria de temperar novamente, pois como v. Disse ele vem com tempero básico . Você poderia me fornecer esses ingredientes. Pensei em lava-lo, adicionar suco de laranja e vinho branco. E umas ervas finas e sal. O que v. Acha? Obrigada

  • Henrique

    Nossa! Obrigado pelas dicas, como sou muito inexperiente na cozinha suas dicas estão me ajudando muito. Não ligue para essa críticas desconstrutivas, porque essas suas piadinhas ao longo do texto deixam ele mais leve emuito mais engraçado! Parabéns!

  • Anne

    Depois de um ano esse post salva aves! rs
    anotei tudo para fazer na primeira ceia em familia! estou ansiosa e já reli algumas vezes para não errar nada.
    muito obrigada por compartilhar seu conhecimento e amor. com certeza somente coisas maravilhosas retornarão a você!
    muito obrigada!

  • PatriciaVS

    Estou lendo pela primeira vez e gostei muito das dicas .Só fiquei surpresa com a falta de respeito de alguns leitores que ainda se dão ao luxo de entrar no site para criticar ofensivamente, acredito que críticas são bem vindas mas bons modos também!Parabéns pelo site.

  • Khennya

    eu também fiquei super perdida, mas depois de ler outra vez com um bloco na mão, consegui e ficou ótimo!

  • Carol

    Eu estava procurando por receitas e acabei encontrando o blog por acaso.. E agora não consigo parar de ler!! rs, Me casei há pouco tempo então essas dicas são suuuper valiosas!!
    Obrigada pela iniciativa de compartilhar os seus conhecimentos com a gente!! 😀

  • Vanessa Machado

    Eu fiz no frango de hoje para o meio dia. Todos aqui em casa adoraram. Obrigado pelas dicas 🙂

  • Pamela

    Vou fazer um fiesta pro ano novo, sou super nova na cozinha, me casei a 6 meses e esse é o meu grande desafio de 2014 hihi. Tenho uma duvida, não quero marinar nem usar salmora. Se eu colocar a manteiga por baixo da pele e uns temperos dentro dele, vai ficar muita informação no sabor, com muita gordura, ou fica gostoso, crocante e suculento? Me ajudeeeem por favor! rs

  • Edilson

    Vanessa, boa tarde. Estou aqui para te agradecer. Simplesmente sensacionais suas dicas, informações e ensinamentos. Procurava na internet uma simples receita de tempero para o peru de Natal e encontrei o seu socorro. Resultado: tornei-me seu fã, discípulo e seguidor… hahaha, além de que o peru (na verdade um superfrango) fez um sucesso estrondoso aqui em casa. A frase que mais gostei foi “esse foi o melhor peru que já comi na minha vida”…
    Do seu estilo de ensinar, o que me parece fundamental é o fato de você nos dizer o “porquê”, e não simplesmente faça assim ou faça assado (valendo o trocadilho, hehe)…
    Valeu, muito obrigado mesmo. Parabéns. Continue seu bom trabalho.

  • Magno Silva

    ACho que você tinha que separar a conversa da receita as vezes você começa a explicar alguma coisa e para da uma filosofada e volta, não sei se é ignorância da minha parte ou falta de paciência mas fiquei perdido

  • Lili, você pode tirar ele de lá sempre que quiser! Eu não uso o saco, mas se você for se sentir mais segura, manda brasa e fica observando… 😉

  • Lili

    Vanessa, fiz uma mistura de temperos e vinho reduzido (como vc falou). Vou assar no saco, mas será que vai formar muito líquido?

  • Não esse da redinha é só o peito e vem bem amarrado para ficar redondinho e comportar o termômetro.
    Não precisa lavar e nem retire a rede. Siga as instruções de preparo da embalagem, apenas acrescente os temperos que desejar e uma camada de gordura na superfície.
    Não deixe mais tempo do que o recomendado!
    Se quiser saber mais sobre o cozimento da carne do peito, leia o post de introdução e aquele em que ensinei a assar (se ainda der tempo, né?)
    http://socorronacozinha.com.br/frango-assado-peru-chester-basico
    http://socorronacozinha.com.br/como-assar-frango-peru-chester
    Sucesso!!

  • Gabriela,
    Na verdade não precisa ficar de um dia para o outro, você pode temperar antes de colocar no forno!
    Não deixe de fazer um bom molho com o fundo da assadeira: http://socorronacozinha.com.br/molho-frango-assado-peru-chester
    Obrigada pelo carinho e boa sorte!!

  • Gabriela

    Obrigada , obrigada eu adorei! Vou tentar fazer hoje! Apesar de já ter começado errado, não sabia que tinha que fazer um dia antes! Minha mãe fazia e ficava divido, e eu como uma bela preguiçosa nunca me interessei em saber como. Agora fico me matando, ano passado tentei e ficou muito ruim, foi pro lixo! Esse ano com sua dica espero que fique bom!
    Muito obrigada por dedicar seu tempo escrevendo esse post!

  • Gabriela

    Sério Drika?
    A pessoa está ajudando e você reclamando? Vai lá, faz a ave sozinha então!
    Fala sério, li cada linha muito agradecida, porque ano passado fui me aventurarem fazer e ficou uma porcaria, joguei fora!

  • Gaio, rechear a farofa é muito ruim para a suculência da carne, porque a farinha absorve sua umidade natural, que já é tão escassa. No post anterior, ensinei a assar a carne de maneira que fique suculenta e dei algumas explicações a respeito disso que vão te ajudar a entender melhor: http://socorronacozinha.com.br/como-assar-frango-peru-chester
    Se quiser muito rechear com farofa, deixe ela beeeem molhada para minimizar o problema.
    Boa sorte!

  • Gaio Cruz

    E Perus e superfrangos recheados com farofa, por exemplo?

  • Lili

    Q bom! Obrigada pela resposta! Os posts bem completos estão me ajudando muuito.

  • Pode temperar, mas deixe que fique em temperatura ambiente para começar a assar! Aqui tem a explicação: http://socorronacozinha.com.br/como-assar-frango-peru-chester
    Beijos!

  • Lili

    Posso temperar o peru ainda um pouco congelado?

  • Tonia

    O post pode ser looongo, mas serviu bastante 😉
    Melhor ser longo, que mal educado!

    #Ficadica

  • É, isso tudo que está escrito aqui poderia mesmo ser um livro bem caro à venda na livraria, mas por enquanto é um blog que você pode acessar de graça (só eu que pago por ele). Ainda bem que tem uma variedade grande de sites (e até de livros) que não são para iniciantes e não têm muitos detalhes escritos, assim todos ficam bem servidos!

  • Obrigada, Glaci! É esse o meu objetivo 😉
    Grande beijo

  • Lillian, e eu adoro quando vocês adoram! rsrs!
    Socorro prestado: http://socorronacozinha.com.br/molho-frango-assado-peru-chester
    Boa sorte e não se esqueça: #socorronacozinha
    (também quero ver!)

  • Gislaine, eles sempre caem nessas armadilhas, rs!
    Essa é só uma forma diferente de vender um mesmo produto. Pode descongelar e fazer como se fosse um peru normal! Beijos e Feliz Natal 😉

  • Stephanie, quando a sua ave estiver no forno, o fundo da assadeira vai encher de líquidos e é com ele que você deve regá-la – tomando aquele cuidado para pegar somente a gordura, como eu falei no post anterior: http://socorronacozinha.com.br/como-assar-frango-peru-chester. Tudo o que você usou para temperar a ave vai contribuir para formar o líquido que será usado para regar. Se você tiver colocado cebolas, por exemplo, vai soltar um bocado de água. Se tiver temperado por debaixo da pele com manteiga, vai ter gordura de sobra disponível.
    Se o fundo da assadeira parecer seco, retire do forno e coloque um pouco de água mesmo, procurando dissolver a “sujeirinha” marrom que tiver ali.

  • Cesar, eu tenho outra definição para “idiota”. Existem muitos sites na internet e você pode escolher livremente qual vai ler, então não perca mais tempo deixando comentários… Você sabe.
    Algumas pessoas precisam de detalhes e é para elas que existe um blog chamado “Socorro na Cozinha”.

  • Cesar

    Poderia ter reduzido metade deste post idiota falando baboseiras. Seja mais concisa.

  • Teresa Giglio

    Também esperando, ansiosa, pelo molho!

  • Stephanie

    Tem como vc dar uma “receita” do tempero que devo usar se resolver regar a ave a cada 30 minutos? O que usar pra regar? Para regar eu preciso fazer a marinada? Socorro, estou perdida. rs

  • Gislaine

    Meu marido comprou hoje, um peru assa fácil, querendo me ajudar, tadinho, mas gostaria muito de colocar o meu tempero, mas na embalagem diz para colocar congelado no forno…posso descongelar e colocar meu tempero??? obrigada desde já pela resposta…um abraço

  • Leonardo

    Estou ansioso para a receita do molho com o fundo da assadeira!!!

  • lillian

    EU adorei os posts!!!
    Me ajudaram mto na futura preparacao do meu chester….
    Mas agora preciso das dicas do molho!! rsrs
    Socorro!!!

  • Jaqueline

    Foi o que imaginei! Obrigada!! 🙂 Feliz natal!

  • Jaqueline, ao furar a carne você abre caminho para que seus preciosos sucos evaporem ou escorram. Para ficar suculenta depois de tanto tempo de forno, é preciso cuidar com carinho dessa umidade natural que ela tem, preservando as fibras juntinhas e mantendo uma camada de gordura para evitar que os vapores consigam sair pela superfície.
    Era isso que você queria saber?
    Beijos e Feliz Natal! 🙂

  • Jaqueline

    Estou amando os posts!
    Já vi em várias receitas e na família, furarem a ave para temperar… Você comentou que isso não deve ser feito nos posts anteriores, poderia explicar um pouco mais como isso pode prejudicar ?

    Obrigada!