Como fazer uma sopa simples de um legume

Outro dia me dei conta de que quase toda sopa que eu faço, começa do mesmo jeito e segue a mesma lógica, variando apenas o ingrediente principal e, consequentemente, o tempo de cozimento. Claro que essa constatação tinha que virar post, para ajudar qualquer pessoa a criar sopas deliciosas, sem seguir receitas.

Antes, é bom lembrar o quão variadas as sopas podem ser. Elas podem ter pedaços ou não, ser grossas ou ralas, quentes ou frias (sim!), límpidas ou turvas e podem ser feitas com praticamente qualquer ingrediente. A única coisa que toda sopa tem em comum, é que precisa ser líquida o suficiente para você olhar para ela e dizer: “preciso de uma colher”.

Para que seja assim tão fluida, toda sopa leva uma boa quantidade de líquido, que pode ser água ou um caldo de alguma coisa (legumes, frango, carne). Esse caldo, pode ser um tablete desses industrializados dissolvido em água (como manda na embalagem) ou feito em casa, a partir de ingredientes frescos (é mais recomendável e gostoso, convenhamos).

Não vou ensinar aqui a fazer os caldos, porque eles merecem um post exclusivo. Você pode usar o tempero pronto enquanto isso, porque muito em breve já vou escrever sobre este assunto e você vai se livrar deles. Aproveita enquanto está na zona da ignorância (no melhor sentido) e use isso a seu favor. Quando souber fazer os caldos em casa, nada mais justificará o consumo dessa porcaria industrializada tão prática.

Aliás, neste post não tem receita nenhuma. Se estiver procurando por receita, pode voltar para o Google. Este post é para te dar o caminho das pedras, para você ter condições de abrir a geladeira, catar uns trecos e: tcharammmm!, transformar numa sopa deliciosa.

Bem, estas informações serão para sopas de legumes simples, ou seja: uma sopa feita com um legume só! Sopa de abóbora, sopa de cenoura, sopa de inhame, sopa de beterraba, sopa de ervilha, sopa de tomate, sopa de espinafre, sopa de alho-poró, todas essas são de um legume só! Acho que é um bom começo, concorda?

Como fazer uma sopa de um legume sem receita:

Eu disse que começo sempre do mesmo jeito e recomendo que você faça o mesmo. É tipo um ritual que cria uma base saborosa para você construir sua sopa.

Corte uma cebola da maneira que quiser (eu corto normalmente em 8 partes). Use pelo menos uma cebola, você tem que cobrir bem o fundo da panela com os pedaços cortados dela. Se pretende fazer muita sopa, sei que vai usar uma panela maior e aí vai precisar de mais cebola para cobrir o fundo, entendeu? Então não fique se preocupando se está colocando muito ou pouco, apenas encha bem o fundo da panela com ela e siga em frente.

A quantidade de azeite (ou manteiga como falei) é grande, precisa cobrir as cebolas.

Deixe que ela cozinhe em fogo baixo, lentamente, por uns 15 minutos (como você quer cozinhar lentamente e não queimar as coisas, use a panela mais pesada que tiver, que distribui melhor o calor). Você vai ver a cebola amolecer, começar a ficar meio transparente e, por último, dourar. Quando estiver dourando, significa que a primeira etapa acabou.

cebolas transparentes caldo verde

Olha só como elas estão transparentes e ficando douradas!

Acrescente o legume que escolheu picado, sempre em pedaços de mesmo tamanho para que o cozimento seja uniforme. Se tiver um pedação e um pedacinho de cenoura na mesma panela, o pedacinho vai se desmanchar de tanto cozinhar, antes que o pedação fique macio.

Acrescente sal, como se estivesse temperando uma salada no seu prato. Não tem uma quantidade certa, até porque eu não faço a mais vaga ideia do que você vai fazer e nem da quantidade. Apenas pense que cada pedaço de legume tem que ter um pouco de sal, mas que você poderá colocar mais um pouco no final do preparo, se precisar (já falei sobre o sal a gosto, olha lá).

Misture o legume com a base deliciosa de cebola e deixe que novos sabores e aromas se revelem e se espalhem pelo azeite.

A quantidade de legumes é por sua conta, apenas pense que precisa ainda cobrir tudo com água (ou caldo), até um pouco mais acima da altura deles – uns 3 centímetros, por aí.

Não deixe os legumes totalmente parados na panela, mexa para que não queimem no fundo. Isso deve durar alguns minutos, você vai vê-los ficando mais corados e cheirosos. Quando achar que eles já deram o máximo de si, que estão parecendo deliciosos (eu sei que isso foi subjetivo demais, mas você vai sacar na hora de fazer), cubra tudo com o líquido e deixe ferver (pode ser em fogo alto até levantar fervura).

Abaixe o fogo quando estiver fervendo e deixe cozinhar até que os pedaços estejam macios, mas não desmanchando. Durante o cozimento, os ingredientes vão transferir todo o seu sabor para o caldo e fazer com que sua sopa seja uma sopa, e não um monte de coisas nadando numa água. Experimente sempre e observe essa transformação acontecer.

Como você já deve esperar, eu não sei dizer o tempo de cozimento. Se ele varia até nas receitas, quem dirá aqui, que eu nem sei o que você vai fazer. Ao experimentar a sopa, você vai poder verificar se os legumes estão macios, que é o que você deseja. É simples assim.

Não se esqueça de verificar o sal. Se achar sua sopa meio sem gosto, pode ser um sinal de que falta sal. Uma forma de tirar isso a limpo, é pegando uma colherada e colocando um tico de sal para ver se ela fica mais gostosa assim. Se der certo, coloque mais sal na panela.

Eu gosto de usar pimenta-do-reino em praticamente tudo, você pode experimentar usar na sua sopa e ver o que acha.

Ok, você chegou até aqui e ainda não sabe se vai usar caldo ou água. Vamos falar sobre isso então!

A água é especialmente recomendada quando você quiser que o sabor do legume seja o destaque, quando os ingredientes estiverem incrivelmente frescos e deliciosos ou quando for um legume de sabor delicado. Por exemplo, uma sopa de milho pode ficar mais interessante se for feita com água. Não custa testar, você sempre poderá fazer diferente na próxima vez. Não é prova de eliminação do MasterChef, é cozinha caseira mesmo. Use água, caldo de legumes, caldo de carne e, depois de tentar de diferentes formas, escolha a sua preferida.

A quantidade de líquido é a gosto e você pode aumentar ou diminuir o quanto quiser, apenas acerte o sal sempre. Lembrando que o caldo da sopa tem os sabores dela, então não jogue fora pelo ralo. Talvez você se arrependa e queira voltar com um pouco para a panela ou até use em outra preparação.

Você pode servir a sopa com pedaços ou processá-la. Particularmente, quando faço uma sopa de um legume só, prefiro processar com um mixer dentro da própria panela (fogo desligado!), quando já está cozida. Se você não tiver um mixer, pode fazer isso no liquidificador, só não se esqueça de tirar aquela tampinha que se desencaixa da tampa para ventilação, para que o ar quente seja liberado. Caso contrário, vai explodir a sopa quente na sua cara e na cozinha toda. Acho que a consistência uniforme e delicada da sopa processada caem muito bem quando usamos um legume só, mas você pode gostar dela rústica, com pedaços.

A quantidade de líquido é um detalhe bem importante ao processar a sopa, porque vai determinar sua textura. Se ficar muito rala depois de processada, cozinhe mais um pouco na panela, para evaporar um pouco da água. Se ficar grossa, acrescente mais líquido.

Algumas vezes eu uso um pouco de creme de leite fresco para dar cremosidade para a sopa processada. Se quiser fazer isso, acrescente o creme de leite antes de bater, mas também pode colocar direto no prato, fica bem bonito e gostoso! Sempre que faço isso as pessoas acham chic. #ficadica

Processando a sopa de ervilha com mixer

Processando uma sopa com mixer e tem creme de leite aí!

Você pode querer que sua sopa em pedaços também tenha o sabor do creme de leite fresco, aí eu recomendo que finalize com ele no prato (coloca uma colher dele por cima). Acho que fica mais interessante do que misturar com o caldo da sopa.

Tudo isso que eu falei do creme de leite fresco serve para um pedacinho de manteiga, para umas gotas de limão siciliano, iogurte natural, especiarias e ervas. Você pode finalizar com o que quiser, com o que você achar que combina (faça aquele teste da colher!), mas cuidado para não exagerar na quantidade e desequilibrar a combinação de sabores que você construiu.

Outro dia eu fiz uma sopa de batata-baroa (ou “mandioquinha”) com açafrão e fez o maior sucesso! Foi feita exatamente como expliquei e resolvi colocar o açafrão bem no final. Agora que você conhece esse roteirinho básico, também vai poder combinar sabores!

Mas, Vanessa, por que você escreveu um post ensinando a fazer sopa de um legume só e não com vários legumes?

Porque tudo na vida tem que começar pelo início. Agora que você sabe fazer uma sopa de legumes simples assim, vai poder partir para uma sopa de muitos legumes, que tem o preparo um pouco mais complexo. Por exemplo, os legumes cozinham em tempos diferentes e você pode querer usar leguminosas (como o feijão), uma massinha e até mesmo pedaços de carne. Percebe que já é um estágio mais avançado? 🙂

Mas, Vanessa, você falou que tem um legume só, mas tem essa cebola aí logo no começo. Se não for pra fazer sopa de cebola, acho que vai acabar tendo mais de um legume. Não? Isso me confundiu.

A cebola é tempero! Vá fazer sua sopa e ser feliz nesse friozinho!

Ah, não se esqueça de postar uma foto da sua criação e postar com as hashtags: #socorronacozinha #cozinhandosemreceita

Mostre isso pro mundo:

Quem escreve

Criei este blog em 2007 como quem não quer nada e ele se tornou a melhor coisa que já fiz na vida! Aqui eu compartilho tudo o que sei sobre culinária, conto minhas histórias e ajudo quem precisa das primeiras lições na cozinha.

Comments on this entry are closed.

  • Agustina

    Oi! tein receita para fazer coxinha? eu ya faco, mais quero saber se voce tiver uma melhor! bgd

  • Juba

    Vanessa, adorei o post. Eu nunca refogo os legumes, mas a sua descrição deu água na boca e vou começar a fazer. Tem um jeito de finalizar que é bem gostoso para quem não pode usar manteiga ou creme de leite, que é colocar azeite enquanto bate com o mixer (depois que a textura já estiver homogênea). Dá aquela emulsionada, com volume e corpo, e nem precisa de uma quantidade absurda pra ficar gostoso. Abraços 🙂

  • Sarita Coelho

    Vanessa, eu entrei no seu blog para sugerir justamente esse post. Nesse frio, nada melhor do que sopa. Depois coloca o passo dois, quando entra o feijão. Na verdade, eu estava querendo fazer uma sopa de fubá com ovos e me deparei com uma dúvida típica desse blog. Não vi em nenhum site o simples esclarecimento para nós leigos e inexperientes sobre como acrescentar os ovos (como fazer para ficar redondinho em vez de esparramar e como ter certeza de que estão realmente cozidos). Enfim, se você puder me ajudar nos comentários ou em um novo post, eu agradeço.