Pastel de queijo

Já ouviu falar na dieta da princesa? Você faz a dieta e fica “picesa”.

Não, não é isso não. É uma dieta antiga aí que acabou levando esse apelido porque a Kate Middleton fez e ficou “uma vara” (linda) para o casamento com o príncipe William.

Já me viu antes? Pois é, vou confessar. Essa foto que eu uso a torto e a direito tem mais de 2 anos e de lá pra cá eu fiquei tipo a versão feia de dar dó de mim mesma.

Ok, ok. Estou exagerando um pouco, mas só um pouco. Bem pouco mesmo. Bom, o fato é que em 2012 eu quero ter outra foto bonita!

Minha dieta começa amanhã (não deixei para segunda-feira porque esse dia nunca deu certo em 2011) e sei lá como vou fazer com o blog… Aqui bomba o que engorda e eu estou ferrada por causa disso.

Deixemos para sofrer na hora certa, né? Hoje eu ainda posso comer uma gordice! (#todascomemora) Ainda falta muito para amanhã (também resolvi ficar mais otimista em 2012).

Para me despedir da fase, resolvi fazer um pastelzinho de queijo. Hummmm… Bem coisa de gordinho fazer pastel em casa, né?

Aí, eu fiquei pensando que, com toda a certeza deste mundo, tem muito leitor deste blog que olha para a massa pronta no mercado e não faz idéia de como fazer aquilo virar um pastel gostoso. Ué, não tem um montão de gente que não sabe fazer gelatina? Então! Pastel é anos-luz mais complicado.

Opa, eu já ia dizer que pastel é simples, simples, mas tem que ter técnica! Escolhi o de queijo para ensinar porque ele é o mais básico de todos para você começar.

Receita de Pastel de Queijo

Ingredientes:

Massa pronta para pastel (fica no refrigerador do supermercado, junto das outras massas frescas. Compre a massa redonda, que já vem cortadinha para você.)

Queijo para rechear (de sua preferência. Eu usei o queijo prato light, porque já estou entrando na frequência da Kate. O queijo minas solta muita água, cuidado para não se queimar na hora de comer!)

Óleo para fritar (o suficiente para cobrir os pastéis)

Modo de preparo:

Repare que a massa para pastel vem com um plástico separando uma da outra.

Retire do montinho quantas quiser usar, mantendo o plástico no lugar.

Corte o queijo em pedaços pequenos. O tamanho é o seguinte: tem que ser grande o suficiente para não virar pastel de vento, mas tem que dar para dobrar a massa ao meio e ainda sobrar uma borda para fechar com o garfo.

Posicione o queijo em um dos lados do círculo e dobre o outro lado por cima dele. Se estiver difícil fechar, é porque foi grande demais.

Olha, não vou ficar explicando detalhes sobre como fechar um pastel com um pedaço de queijo dentro porque você já fez muito trabalhinho na escola anos atrás e já aprendeu a se virar com essas coisas. É só tirar e cortar para diminuir, mudar de posição e finalmente: fechar a massa!

Agora você tem uma “meia lua”, confere? Se não, comece a ler do início, hehe!

Você vai usar um garfo para fechar a borda do pastel, senão ele vai abrir na panela e virar “massa de pastel com queijo, fritos separadamente em óleo quente” (interessante esse nome, gostei).

Com a pontinha do garfo (eu disse “pontinha”!!!), vá amassando a borda de um canto a outro. Não pressione muito para não rasgar, só o suficiente para os dois lados da massa se juntarem. Teste a sua força, tenho certeza que você vai conseguir encontrar o seu jeitinho.

Olhe aqui, se não usar só a pontinha do garfo como eu falei, vai ter um pastel com uma mega borda. Se gostar assim, ok!

Repita com o garfo do outro lado, porque acho que seu pastel vai abrir se não fizer assim. 🙂

Prepare quantos pastéis quiser antes de começar a fritura. Ah! Certifique-se de que tirou os plásticos!!

Encha uma panela funda com óleo suficiente para cobrir esse tamanho de pastel que você montou. Aqueça o óleo antes de começar a fritar.

Dica para saber se o óleo já está quente: usando a escumadeira, afunde uma ponta do pastel no óleo (com cuidado para ele não cair e a gordura não voar em você) e veja se vai borbulhar. Se fizer só umas poucas bolhinhas, é porque precisa esquentar mais.

Óleo quente demais é ruim porque queima o seu pastel antes que o queijo derreta! Regule a chama para ajustar a temperatura do óleo, é só ir testando, sem mistérios. Não tem problema queimar uns pastéis nesse processo de aprendizado!

Use uma escumadeira para colocar os pastéis na panela, em vez de arremessar de longe!

Fique de olho no lado que está voltado para o fundo da panela, ele vai ficar dourado antes. Vire-o e, quando os dois lados estiverem douradinhos do jeito que você gosta e retire com a escumadeira.

Leve os pastéis fritos para um recipiente que resista a altas temperaturas (um prato de porcelana ou refratário, por exemplo), forrado com pelo menos duas camadas de papel toalha (se seu papel toalha for muito bom, forre com uma camada só). Os pastéis vão escorrer ali enquanto você termina de fritar o restante.

Atenção: óleo quente é um perigo! Segure firme na escumadeira e cuidado para não jogar óleo para fora da panela.

Não invente de colocar vários pastéis no óleo de uma só vez, eles vão acabar queimando. É que fica complicado tirar mais de um por vez e os que ficam esperando acabam ficando meio carbonizados. Comece fazendo um por um, até você pegar o jeito.

Você pode rechear com o que quiser, não precisa ser só o queijo. Pra você ter uma idéia, até pastel de feijão é bom! (Comi no Bar do Mineiro, em Santa Teresa)

Bon Appétit!

Mostre isso pro mundo:

Quem escreve

Criei este blog em 2007 como quem não quer nada e ele se tornou a melhor coisa que já fiz na vida! Aqui eu compartilho tudo o que sei sobre culinária, conto minhas histórias e ajudo quem precisa das primeiras lições na cozinha.

Comments on this entry are closed.

  • Quelyy

    indiota vc é grrosso

  • priscylla

    sobre a pergunta da lilly sobre o fosforo dá certo sim,mas eu ja fiz isso pra fritar batata frita. Coloquei o oleo na panela (sem tampa!!) e joguei um palito de fosforo lá.Quando o oleo ta quente (mtttt quente) vai acender uma chama no fosforo bem rapido e apaga logo em seguida.Ai ta na hora de tirar o fosforo e jogar as coisas pra fritar.
    pode ficar tranquila que nao explode a panela

  • Evelyn

    Na cidade onde eu moro no sul de Minas Gerais o pastel é patrimonio histórico, mas não é um pastel qualquer, é de farinha de milho … muita gente vem de fora para apreciar essa delicia, a tradição é tanta que em quase todas as esquinas do centro da cidade tem um carrinho vendendo pastel com caçulinha, ele é tão famoso que tem até festa . A receita é bem simples e fácil ( eu aprendi a fazer com a minha vó ) são 3 copos de farinha de milho peneirada + 1 copo de polvilho azedo + sal + água fervente até dar o ponto de abrir. Depois é só abrir a massa ( uma dica : faça uma bolinha e abra com o fundo de um prato ) e recheie a gosto . Frite em oleo quente até dar uma leve douradinha e está pronto … aqui os recheios são bem variados desde doces como goiabada ou banana com queijo até os tradicionais de queijo ou carne moida. #ficaadica .

  • Lilly

    Uma vez me falaram que dá pra saber quando o óleo tá “no ponto” se jogar um palito de fósforo lá (tipo antes de esquentar, sei lá…).
    Eu, como a encarnação da pessoa que vc idealiza quando teve a ideia do blog, óbvio que nunca tentei. Vai que o negócio explode, né?!
    Masss…. é lógico que eu fiquei curiosa pra entender o fenômeno.. rsrs
    É verdade isso ou estavam tirando sarro da minha cara?

  • Também pode usar mussarela, como recheio, invés de queijo minas?

  • Paula De Paoli

    Eu já fiz com queijo brie e geléia de damasco. Supimpa. Fica a dia 😉