Molho Barbecue

Meu primeiro contato com o molho barbecue foi durante meu intercâmbio, nos Estados Unidos, em 2001. Até então, eu só conhecia ketchup, mostarda e maionese. Eram tantas opções de molhos que a porta da geladeira ficava completamente tomada por eles.

O barbecue era usado pelo meu pai para fazer churrasco – aquele tradicional churrasco americano, que nada tem a ver com o nosso. Aliás, a tradução de “barbecue” é mesmo “churrasco”. Ele simplesmente usava o molho pronto, que era uma delícia, por sinal. Amei aquele sabor desde o primeiro momento. Até hoje, prefiro o molho barbecue ao ketchup, quando preciso escolher entre eles.

Os americanos são muito páticos na cozinha. Cozinhar, para a maior parte deles, é juntar ingredientes prontos, comprados no supermercado. Você coloca uma camada disso, daquilo, leva ao forno e pronto. Naquele tempo (lá se vão 16 anos), nós aqui no Brasil ainda não tínhamos tantas opções práticas no mercado. Lembro-me bem o quanto achei incrível que os filés de frango congelados que minha mãe americana comprava em uma enorme embalagem, já vinham bem temperadinhos e prontos para ir para o grill – que também era uma novidade para mim na época. As saladas vinham higienizadas e, por nunca ter visto isso antes, ficava com muito medo de comer bichos. Depois tive que me acostumar e agradecer por ter caído numa família que tinha hábitos mais saudáveis.

Minha família americana!

Eu e minha família americana! 🙂

Outra coisa que me deixava muito confusa eram os feijões enlatados. Eu realmente não compreendia o por quê daquilo, já que tinha passado os 16 anos da minha vida vendo as pessoas cozinhando feijão rotineiramente.

Estamos cada vez mais parecidos com eles, não é mesmo? Em nome da praticidade, reduzimos os processos na cozinha e adotamos aos poucos esse estilo de culinária americana, muitas vezes sem sequer percebermos. É verdade que já tem muita gente indo na direção contrária e mostrando o quanto é importante abandonarmos os industrializados ao máximo e trazermos mais ingredientes frescos para nossas mesas. Esses advogados da boa culinária têm voz e já conscientizaram muita gente (veja o Jamie Oliver, por exemplo). Eu sou dessa linha, procuro ensinar as pessoas a não dependerem dos industrializados para se alimentar. Por outro lado, não sou uma radical e acho que tem espaço para tudo na vida da gente, basta termos consciência das nossas escolhas.

Vou dar um exemplo. Minha receita de strogonoff leva uma grande quantidade de ketchup, mostarda e creme de leite enlatado. Sem contar que tem champignon em conserva e molho inglês. Todos os ingredientes podem ser substituídos por opções frescas, artesanais e também deliciosas, mas prefiro continuar com a receita que aprendi com a minha mãe, que me traz tantas lembranças e que é prática e muito, mas muito gostosa mesmo. Se fosse para comer todos os dias, realmente precisaria rever isso. Mas não é o caso.

Então, voltando para o molho barbecue, ele pode ser feito em casa e de inúmeras maneiras, usando ingredientes variados e em quantidades diferentes. Uns são mais doces, outros mais picantes, mais defumados, mais adocicados e por aí vai. Também pode ser feito só com ingredientes frescos, mas aprendi com americanos e, sabe como é, eles são práticos. A meu ver, o fato de levar ketchup e mostarda na receita não o torna uma opção saudável, claro, mas só de não levar todos os outros conservantes, corantes etc. que estariam no barbecue industrializado, já é bem melhor.

A receita que aprendi era tipicamente americana, muito mais adocicada do que o paladar dos brasileiros costuma suportar. Uma vez, minha avó (de lá) preparou uma costela com molho barbecue (vou ensinar no próximo post!) e ele era tão doce, mas tão doce, que fiquei até um pouco enjoada. Mas a costela era maravilhosa, então foi uma situação muito difícil de resolver. 🙂

Fiz adaptações na receita e acho que cheguei ao melhor que poderia para o meu paladar. Você também pode mexer nas quantidades dos ingredientes e até mesmo substituí-los ou acrescentar outros. Acredite, o molho barbecue tem um sabor complexo e sempre cabe mais um na receita. Repare quantas coisas vão na panela (se fizer seu próprio ketchup e mostarda, a lista aumentará ainda mais) e veja quantas você nem imaginava ter nesse molho. Isso é uma das partes que mais gosto quando cozinho: conhecer o que estou comendo.

Receita de Molho Barbecue

Ingredientes:

  • 1/3 de xícara de chá de açúcar mascavo claro (exite açúcar mascavo claro e o escuro, eles são um pouco diferentes no sabor. Não deixe de fazer a receita se só encontrar o escuro ou se não souber qual dos dois tem em mãos)
  • 200 ml de suco se maçã integral sem açúcar (você encontra na maioria dos supermercados o suco de maçã  integral, sem açúcar e sem conservantes. Se não encontrar, faça em casa mesmo com umas maçãs e pouca água, mas coe com uma peneira fina, para não deixar a textura do molho granulosa. Não precisa se preocupar com o escurecimento do suco de maçã, afinal o molho que vai preparar é escuro!)
  • 200 ml de suco de laranja fresco sem açúcar (esprema duas laranjas e veja quanto de suco consegue. Não precisa ser exatamente 200 ml, ok? )
  • 100 ml de Whiskey (de preferência um bourbon, que é feito de milho e é a bebida tradicionalmente usada nesse molho – ambos são tipicamente americanos! Se não tiver o bourbon, use outro whiskey. Se não tiver whiskey, use conhaque ou até mesmo cachaça. A bebida dá um sabor especial e você não precisa se preocupar com o álcool, porque ele evapora.)
  • 4 colheres (sopa) de vinagre balsâmico
  • 4 colheres (sopa) de molho inglês
  • 200 g de ketchup
  • 2 colheres (sopa) bem cheias de mostarda
  • 1 colher (chá) de alho em pó (você encontra facilmente nessas lojas que vendem temperos a granel)
  • 1 colher (chá) de páprica picante defumada (se não encontrar a defumada, será uma pena porque esse sabor é importante na receita, mas tudo bem! A páprica picante já vai contribuir muito, mas  deixe a páprica doce para a última opção.)
  • 1/2 colher (chá) de cominho em pó (esse é mais fácil de encontrar em supermercados do que o alho em pó. Também pode usar cominho + pimenta-do-reino em pó, que é um tempero com a mistura dos dois)
  • Pimenta chipotle a gosto (a chipotle é uma pimenta defumada e dela são feitos molhos, que você encontra em bons supermercados – a Tabasco tem, por exemplo -, pastas e até mesmo o pó. Você pode usar qualquer uma dessas opções e na quantidade que quiser, o que desejamos é que o molho barbecue fique levemente picante e com um delicioso sabor defumado. Apenas como referência, eu uso entre 1/2 e 1 colherzinha de chá da Tabasco Chipotle)
  • Sal a gosto (sugestão: 1/2 colher de chá)

Modo de preparo:

Coloque todos os ingredientes de uma vez em uma panela não muito pequena, porque o molho vai borbulhar um pouco e pode derramar no seu fogão. Leve ao fogo alto, até levantar fervura.

Mexa com um batedor de claras (famoso “fouet”) para dissolver com mais facilidade os ingredientes em pó. Quando ferver, abaixe o fogo para cozinhar o molho destampado, até que fique na consistência desejada.

Mexa de vez em quando, para garantir que não vai grudar no fundo.

Se você for usar o molho barbecue no preparo de outra receita (como da costela que vou ensinar no próximo post e no programa É De Casa, deste sábado – SPOILER!!!), o ideal é que ele fique encorpado, mas não muito, afinal ainda vai ao forno e ficará mais grosso ao perder mais umidade. Nesse caso, é melhor que fique menos consistente do que o barbecue que você compra pronto, entendeu? Para isso, 20 minutos em uma fervura branda, em fogo baixo e sem tampa, serão suficientes.

Caso queira um barbecue mais consistente, para servir de molho diretamente na mesa, então cozinhe mais um pouco. É só você ir mexendo e vendo o ponto, sempre lembrando que, ao esfriar, ele vai ficar ainda mais espesso.

Bon Appétit!

Ficha Técnica:
recipe image
Nome da Receita:
Molho Barbecue
Escrita por:
Publicado em:
Tempo de Preparo dos Ingredientes:
Tempo de Cozimento:
Tempo Total:
Avaliação da Receita:
51star1star1star1star1star Based on 4 Review(s)
Mostre isso pro mundo:

Quem escreve

Criei este blog em 2007 como quem não quer nada e ele se tornou a melhor coisa que já fiz na vida! Aqui eu compartilho tudo o que sei sobre culinária, conto minhas histórias e ajudo quem precisa das primeiras lições na cozinha.

Comments on this entry are closed.