Como fazer arroz

Tá bom, vai… Ninguém se oferece para fazer o arroz. Todo mundo tem medo de errar na mão e só quem já fez muitas vezes se sente seguro nessas horas!

Assim foi comigo aqui no Socorro na Cozinha. Estava adiando ao máximo o dia em que daria a receita do arroz.

Meu arroz até que é gostoso, já faço sem medo – e quem não gostar, come pão (yeah!). O problema é que eu não sei exatamente as medidas da receita! Acho que ninguém sabe, não é?! As pessoas costumam cozinhar arroz “no olho”. Mas, ainda assim, farei uma forcinha aqui.

Antes, vou dar uma dica. Sabe aquele arroz que cozinha dentro de um saquinho? Olha… Aquilo é ótimo para quem ainda não tem prática. É garantido que vai dar certo. Só precisa seguir as instruções da embalagem e mandar uma carta para eles dizendo que estão me devendo essa propaganda que acabei de fazer. Mas quando você aprender a fazer o arroz direitinho, vai achar bem melhor!

Vamos à receita:

Receita de Arroz

Ingredientes:

– 2 xícaras (chá) de arroz branco

– 4 xícaras (chá) de água fervente

– 2 dentes de alho sem cárie

– 1 colher (chá) rasa de sal

– 1 colher (sopa) de óleo

Modo de Preparo:

Pelo amor de Deus: lave o arroz!* Você vai ver que delícia de “sujeira” que vai sair (na verdade é excesso de amido).

Use um escorredor de arroz ou uma peneira para lavá-lo. Quando toda a água esbranquiçada sair, está limpo. Deixe escorrendo enquanto não chega a hora de ir para a panela.

Enquanto isso, ferva a água. Pense que se você colocar a medida certa para ferver, irá perder um pouco dela porque a água vai evaporar. Se quiser ser bem preciso, ferva um pouco mais de água e deixe para medir quando for colocar na panela.

Refogue o alho em uma panela com o óleo. Esprema o alho (no espremedor! Não vá tentar espremer com a mão que não vai sair nada, mané. Se não tiver esse equipamento ultra básico em casa, compre já seu espremedor de alho) e junte o sal.

Não deixe queimar: assim que começar a querer dourar, adicione o arroz. Dê uma mexidinha de leve nele, até ficar sequinho. Essa etapa é importante para que ele adquira o gosto do tempero.

Arrume o arroz uniformemente na panela e adicione a água fervente. Vai subir aquela fumaça com o melhor cheiro do mundo nesse momento.

A medida da água é sempre o dobro da medida do arroz. Outra dica é que a água precisa ficar uns dois dedos acima do arroz e que, quando ela estiver secando e você achar que ele está muito longe de estar cozido, você vai precisar adicionar mais meio copo d’água na panela, uniformemente.

Apesar dessas dicas serem muito boas, tente seguir a receita. Se no fim alguma coisa tiver dado errado, deixe para mudar na próxima vez, senão nunca vai dar certo!

Tampe a panela parcialmente. Após uns 5 minutinhos a água já estará fervendo, então abaixe o fogo e tampe a panela completamente. Deixe lá.

Nas primeiras vezes você não vai ter noção de quanto tempo a água demora para secar, depois você vai se acostumando. Por enquanto, vá abrindo a panela para espiar. Pegue um garfo e dê uma afastada no canto para ver se ainda tem água no fundo, mas nunca bagunce o arroz!

Quando já estiver quase secando, destampe parcialmente a panela de novo se achar que vai ser mais fácil tomar conta. Espere mais um pouco e, quando estiver completamente seca, está pronto.

Deixe o arroz descansar com o fogo desligado e a panela tampada por 10 minutos antes de abrir. Isso ajuda o arroz a organizar sua umidade, digamos assim.

Mais uma dica super útil: quando o arroz queimar, tire imediatamente um pouco dele com uma colher e coloque sobre uma pedra (a pia, se for o caso). Por cima do arroz, coloque a panela. Vai dar um cheiro de queimado e, não sei por qual razão, isso vai tirar o gosto de queimado do seu arroz!

Claro que se tiver virado carvão não vai ter jeito, né?! Ah, também evite servir o arroz que queimou no fundo da panela, porque ninguém merece comer arroz queimado. A não ser que você faça como em algumas culturas que servem essa parte separada como uma iguaria. Aí eu vejo vantagem.

Essa tática de colocar a panela sobre o arroz sempre foi usada na minha casa (e de muitas pessoas) e sempre deu certo. Não sei como, mas funciona!

Você também pode se prevenir contra arrozes queimados usando uma boa panela, com um fundo grosso que distribua bem o calor.

E a cebola, sentiu falta dela na receita? Pois é, não gosto de temperar arroz com cebola. O que eu faço às vezes é aumentar a quantidade do alho, coloco 3 a 5 dentes. Gosto muito daquele gostinho de alho no arroz. Hummm!!… Se quiser, use junto com o alho 1/4 de uma cebola bem picadinho.

Você sempre pode mudar a medida dos temperos. Vá testando até ficar ao seu gosto.

Ah! Caso você queira fazer uma quantidade maior, multiplique os ingredientes ou divida-os, se quiser fazer menos. Se tiver muita dificuldade com as contas, a gente faz um site “Socorro na Matemática!”.

Opa, já ia me esquecendo:

Se o arroz ficar grudado à moda “unidos venceremos“, tem a dica do arroz na forminha. É batata!

E se quiser aprender um pouco mais sobre este alimento nosso de cada dia, tem um post que fala sobre o que faz o arroz branco ser diferente do arroz integral. Falando nele, que tal aprender a fazer arroz integral agora?

Bom, fiquei aliviada por ter feito meu arroz aqui no site e agora vou poder dar mais receitas básicas e práticas que ele acompanha por aí.

Parabéns, você aprendeu a fazer arroz e deu um grande passo rumo ao feijão!

Bon Appétit!

 

* Atualizando em 03/11/2014: hoje em dia eu não sou mais tão drástica quanto à lavagem do arroz (este post é de 2007!). Algumas marcas têm mais excesso de amido, outras menos. O que importa saber é que a maioria delas diz na embalagem que não precisa lavar, o que significa que estão afirmando que o arroz é limpo. Ainda assim, se você preferir lavar, não tem problema. Eu continuo lavando (exceto o arroz arbóreo), porque me acostumei a fazer sempre do mesmo jeito e o excesso de amido pode alterar o resultado, deixando meu arroz empapado. Portanto, se for seguir a minha receita, recomendo que lave também! 🙂

Mostre isso pro mundo:

Quem escreve

Criei este blog em 2007 como quem não quer nada e ele se tornou a melhor coisa que já fiz na vida! Aqui eu compartilho tudo o que sei sobre culinária, conto minhas histórias e ajudo quem precisa das primeiras lições na cozinha.

141 comentários… add one

Leave a Comment