O Doodle do Miojo

Hoje (05 de março de 2015) o Google me obrigou a escrever mais um post sobre miojo, então vamos lá.

Ocorre que o doodle do dia é em comemoração ao nascimento do homem que inventou o macarrão instantâneo, nosso famoso miojo. Assim que me deparei com a página inicial do Google, fiquei por uns instantes um pouco confusa, sem saber se achava legal ou não. De um lado eu pensava: “Realmente, o cara merece a homenagem porque criou um produto de sucesso universal e que mata a fome de muita gente na hora do desespero”. Por outro lado, o da consciência, meu pensamento era: “Mas é um produto que devia sumir das prateleiras!”.

Vou explicar.

Eu comi muito miojo nesta vida e posso dizer que gosto do sabor que ele tem e das lembranças que me trás – e não são poucas. Da infância à adolescência (ok, também chegou à fase adulta) eu fui uma fiel consumidora. Tinha um amor declarado pelo macarrão instantâneo (que precisava ser da Nissin, senão não era ele) e cheguei inclusive a escrever posts deixando isso claro aqui no blog, ainda nos seus primórdios: Miojo Cebola e Óleo e Miojo com Leite.

O que aconteceu nos anos seguintes foi que o macarrão instantâneo perdeu o sentido para mim. Vamos às razões:

1) “Fica pronto muito rápido, em 3 minutos”

Existem massas que ficam prontas mais rápido ou no mesmo tempo. A aletria (macarrão cabelo de anjo) fica pronta em menos de 1 minuto e AI de quem deixa passar desse tempo! Também tem outras massinhas que ficam prontas em apenas 3 minutos, basta olhar nas embalagens no supermercado e você vai encontrá-las. Além disso, confesso que nunca tirei o meu miojo do fogo com apenas 3 minutos, sempre deixei que cozinhasse um pouco mais.

2) “O miojo vem com o tempero e é só misturar”

Antes mesmo de você tomar conhecimento de que o próprio miojo não é um alimento decente para a sua saúde, com certeza já ouviu falar muitas vezes que o pozinho que serve de tempero é riquíssimo em sódio, que devemos consumir com cautela. Ainda assim, se for pela facilidade do pacotinho, tem uma variedade enorme de temperos prontos no supermercado (inclusive em pó) e você pode escolher entre vários sabores. Isso eliminaria apenas o mal da massa frita, mas você ainda estaria consumindo tempero pronto como o do pacotinho do miojo. Uma alternativa um pouco melhor são os molhos prontos, também vendidos em grande variedade hoje em dia. Eles também não são uma opção saudável, mas são um pouco melhores. Se quiser mesmo melhorar a qualidade do que come, com certeza você consegue preparar alguma coisa em 3 minutos, como ralar uma cebola (dica do post que mencionei acima) por exemplo.

3) “É muito mais barato do que fazer macarrão normal”

Não é não. Se você comparar o rendimento de um pacote de macarrão cabelo de anjo, por exemplo, vai ver que está se enganando. Se quiser incluir o tempero na conta, desde que não escolha ingredientes caros dá pra ficar ali, pau a pau.

4) “Eu gosto do sabor do miojo e o meu macarrão nunca fica tão gostoso”

Claro, o tempero dele é cheio de realçador de sabor e a massa tem uma combinação de ingredientes que resulta em comidas extremamente prazerosas de comer: carboidrato e gordura. Essa comparação é injusta, mas escolher o mais gostoso neste caso tem um preço alto: a sua saúde.

5) “Eu nunca consigo fazer o cabelo de anjo, ele sempre gruda. Daí fica difícil trocar o miojo por ele”

Eu tanto sei disso que até escrevi um post ensinando a cozinhar aletria (que é o nome dessa massa). Mas se você comprar outro tipo de massa, o post sugerido para você é: Como Cozinhar Macarrão.

O último post que escrevi sobre macarrão instantâneo foi mostrando como o miojo é feito, exatamente para fazer as pessoas pensarem antes de consumi-lo. Vale a pena a leitura.

Claro que o senhor Momofuku Ando criou um produto de sucesso e tudo mais. Na verdade um sucesso de marketing, um típico produto fast food. Além de rápido de preparar e barato (claro, é bem restrito em termos de ingredientes e não contém nada fresco), ainda é que é fácil de produzir, de estocar, de transportar, de vender, de fazer, de comer e de gostar.

Na natureza tem uma variedade de alimentos nutritivos que podem ficar prontos bastante rápido e muitos que nem precisam de preparo, mas a gente aprendeu a gostar de coisas gordas e industrializadas. Esse nosso pecado é muito bem explorado. Sendo menos natureba, é possível fazer outros pratos rápidos além do cabelinho de anjo.

Confesso que ainda não consegui chegar a uma opinião sobre o doodle de hoje. De um lado a publicitária especialista em Marketing Digital, que gosta de ver cases de sucesso e nerdices pela web (como essas brincadeiras do Google). De outro a consciência e a preocupação de quem cada vez mais se preocupa com a alimentação das pessoas, especialmente de quem está aprendendo a cozinhar. Ao mesmo tempo eu penso que nem é o centésimo aniversário, mas o 105º. Será que não tem nada mais relevante para ser destacado?

Você acha que é uma homenagem merecida?

Mostre isso pro mundo:

Quem escreve

Criei este blog em 2007 como quem não quer nada e ele se tornou a melhor coisa que já fiz na vida! Aqui eu compartilho tudo o que sei sobre culinária, conto minhas histórias e ajudo quem precisa das primeiras lições na cozinha.

Comments on this entry are closed.

  • Aline Bitencourt

    Pior que tem muitas mães que oferecem miojo a crianças pequenas. Quando meu filho fez seis meses a pediatra dele foi me orientar quanto ao tipo de comida que eu deveria oferecer a ele e terminou com a advertência: Miojo nem pensar hein mãe?
    Eu olhei pra ela perplexa e ela me explicou que sim, existem mães que dão miojo a crianças dessa idade…. Um absurdo….
    Tudo bem, eu também já comi muito miojo nessa vida (mas nunca quando era bebê… acho que comecei a comer já tinha sei lá, uns 8 anos…. minha mãe detestava que eu comesse aquilo, diga-se de passagem) mas hoje eu sei o quanto ele faz mal e meu filho não sabe nem que ele existe, quanto mais tarde ele descobrir melhor…rs.

  • koshiba

    Quando tenho uma vontade incontrolável de comer miojo, cozinho massa, geralmente massa de arroz, sem nada, nem óleo (não gruda comigo). Coloco a massa num prato e ponho uma quantidade boa de tempero toque de chef. Acho mais saudável e fica parecido.

  • Maria Cecília Nunes

    Concordo em mais alto grau! Também fui uma que ja comeu muito miojo (mas nunca utilizando todo o conteúdo do pacotinho de tempero), mas que fui percebendo que a praticidade nao é exclusiva dele.
    A “homenagem” so poderia ser considerada como valida se a gente nao parar pra pensar no numero absurdo de pessoas que consomem miojo numa frequencia alarmante, sem se preocuparem com o que isso traz pra saude.