Dia das mães, bagunça e bolo solado

Estava esperando a fase difícil passar para escrever um novo post. Pensava: “Como posso ter coragem de escrever alguma coisa com o blog tão cheio de problemas no ar? Preciso resolver tudo isso antes, depois escrever”.

Você deve ter reparado, o blog está de cara nova mas todo esquisito, cheio de coisas fora do lugar, parecendo mal arrumado, meio quebrado, com cara de mudança que não deu certo ou uma coisa assim desse tipo. Acontece que é o dia das mães e eu sinto uma vontade enorme de me expressar! Sabe como é, aqui é o meu canto antes de mais nada, uma mistura de caderno de receitas e “meu querido diário”.

A vergonha passou quando me dei conta de que não poderia ser momento mais oportuno para escrever este post.

Às vezes as coisas não saem como planejamos e tudo fica meio torto. O bolo fica solado, o arroz grudado, o feijão queimado, o blog bagunçado ou mesmo a vida toda de cabeça pra baixo. A gente não sabe como se comportar, pensa até que seria bom poder voltar atrás e ter de volta tudo como era antes. Mas isso nunca é possível, porque todas as coisas mudam o tempo inteiro, nada permanece igual. A mudança é necessária, seja lá como ela se der. O ovo, a farinha, o arroz e o feijão não iam mesmo durar na sua despensa para sempre, nem você pode ficar parado no mesmo lugar indeterminadamente. É preciso ir em frente.

Quem é o cozinheiro que nunca teve um dia de fracassos culinários? Para se aprimorar, a gente precisa passar por situações que nos obriguem a aprender algo novo. Não podemos ignorar essa fase, ela faz parte, é real. O que precisamos durante esse tempo é ter a certeza de que vai dar certo. Fatalmente vai dar certo. Pode não ser como você esperava, porque vai ser como tiver que ser. Não é raro a gente ir para a cozinha fazer um ovo frito com gema mole e terminar comendo ovo mexido. Tudo bem, era o dia dele ganhar vez.

Essa confiança de que vai dar certo é que nos enche de coragem e ânimo em todos os departamentos da vida. Quem não quer viver dias melhores?

Não podia deixar de vir aqui escrever só porque o blog está uma verdadeira bagunça, muito diferente do que eu gostaria que ele estivesse. Também não deixo de comer o pudim que quebrou na hora de desenformar. Nem deixo de sorrir quando a vontade é de chorar.

Aqui respira uma blogueira falante, inspirada pelo dia das mães. E o que esse dia tem a ver com blog cheio de problemas e o prato que dá errado? Tudo. Quem leu o post em que contei minhas memórias com a minha mãe em torno da cozinha, deve saber.

Meus dias das mães não são como os de antigamente, mas nunca deixei de sentir o amor e a gratidão no coração. A saudade me faz sorrir de um jeito diferente, mas com muita alegria. Houve a fase tumultuada de “reformas”, mas aí chegam os novos tempos, aqueles que a gente tem mania de pensar que nunca virão quando tudo parece estar dando errado.

Isso renova minhas esperanças de que o blog também voltará ao trilho em breve e que vamos continuar aprendendo a ser melhores, mais experientes na vida e, claro, especialmente na cozinha. 🙂

É só um bolo solado…

Mostre isso pro mundo:

Quem escreve

Criei este blog em 2007 como quem não quer nada e ele se tornou a melhor coisa que já fiz na vida! Aqui eu compartilho tudo o que sei sobre culinária, conto minhas histórias e ajudo quem precisa das primeiras lições na cozinha.

Comments on this entry are closed.

  • Joana Pacheco

    Vanessa,
    seus textos são super inspiradores e divertidos, suas receitas são ótimas, você é muito talentosa!
    Como fã do Socorro na Cozinha, fico na torcida para, com calma, o blog entrar nos trilhos novamente 😉
    Bjs

  • Thássia

    Nunca deixe de escrever, Vanessa! Parabéns pela página, sou fã há muito tempo, eu adoro seu blog, seus textos com tons de “meu querido diário”, são sempre leituras que inspiram, na cozinha ou na vida.. 😉