A Cozinha do Monet

Estive em Paris em setembro do ano passado e fomos (eu e mais uma dúzia de pessoas da família) até Giverny, cidade a 75 km da capital, onde morou o pintor que mais ouvi falar na minha vida: Claude Monet.

Minha mãe era artista plástica e tinha uma paixão especial pelas obras dele. Anos atrás (uns 15, eu acho), teve uma exposição do Monet aqui no Rio (na época eu ainda morava em Juiz de Fora, MG). Eles montaram uma reprodução do cenário que inspirava o pintor e que originou muitos de seus quadros mais famosos, seu próprio jardim. Um jardim maravilhoso, diga-se de passagem. Minha mãe tirou várias fotos e chegou em casa toda contente, porque realmente havia se sentido transportada para os jardins do Monet com aquela experiência. Ela virou uma criança, comprou uma porção de livros na lojinha do museu e, claro, vendo aquele brilho de encanto nos olhos dela, quis muito que ela pudesse um dia ir para a França conhecer os jardins de verdade. Infelizmente não deu, perdi minha mãe poucos anos depois.

Essa história me marcou muito e, naturalmente, passei a amar o Monet sem sequer conhecê-lo tão bem.

Quando cheguei em sua casa, lá em Giverny, fiquei arrepiada, emocionada. O jardim é realmente algo que não tem explicação. Um lugar divino, inspirador, cheio de beleza e paz. Dá para ver os quadros dele olhando para as paisagens, como se você estivesse exatamente no mesmo lugar onde ele posicionou sua tela para pintar. Sem igual, muito maravilhoso.

A casa do Monet, vista do jardim

A casa, vista do fundo do primeiro jardim. (Esta foto foi feita pelo meu primo, Fred Jardim.)

Reflexos no lago do Jardim das Águas, em Giverny

Este é o lago do Jardim das Águas. Você já viu um reflexo assim antes?

Lago do Jardim das Águas, em Giverny

Ninféias no lago do Jardim das Águas, em Giverny

As Ninféias do Monet. Por acaso te lembra alguma pintura?

NInféias no lago do Jardim das Águas, em Giverny

Mais Ninféias!

A ponte japonesa no Jardim das Águas, em Giverny

Lá no fundo a ponte japonesa que Monet pintou várias vezes.

Jardim das Águas, em Giverny

Nesta foto o reflexo é tão incrível que não se vê a água!

Porém, minha grande surpresa foi dentro da casa do pintor. Eu não me lembrava dessa parte, mas depois me dei conta de que já havia visto um pouco da casa dele nos livros da minha mãe.

As principais estrelas são a cozinha e a sala de jantar. Caramba! Elas foram, nitidamente, obras de um artista. Quem (??)  teria a ousadia e a inspiração de criar dois cômodos tão únicos e marcantes em suas cores?

Cozinha azul do Monet

Foi por aquela porta que a gente entrou no post, na primeira foto lá em cima!

Cozinha do Monet e a porta da sala de jantar amarela

Daqui dá pra ver a face amarela da porta da sala de jantar.

Cozinha do Monet, em cima do fogão

Fiquei em estado de graça quando entrei naquela cozinha azul!  Ela devia ser uma cozinha bastante moderna naquela época mas é incrivelmente modesta, ao mesmo tempo. Repare na simplicidade dos objetos. Não há artigos de luxo ou móveis e objetos decorativos que justifiquem facilmente a beleza e a graça da cozinha. Os azulejos e a forma como eles foram dispostos já são tudo! Móveis simples, cortininhas xadrez, panelas de cobre, bem “casa de campo” mesmo. Ok, o fogão parece ser um “top de linha” da época.

A cozinha é enorme e acolhedora ao mesmo tempo. Toda de azulejos mas aconchegante, em vez de fria. Imagino que lá devia ter sempre muitas ervas aromáticas, frutas e hortaliças colhidas fresquinhas do jardim e do pomar. Sem contar com as flores, que deviam enfeitar não só a cozinha mas toda a casa.

Sorte do Monet por ter tido condições, ainda em vida, de viver tão bem da sua arte. (Sorte nossa, também!) Ele criou em Giverny uma atmosfera que se confunde com suas pinturas e pôde viver ali por vários anos, até morrer. Seus amigos impressionistas frequentavam sua casa (rosa e verde por fora) e se fartavam com os almoços que oferecia na sala de jantar amarela, os quais Monet servia com o cuidado de alguém que gostava muito de uma boa comida. (Tem um livro que conta todos esses detalhes, “À Mesa com Monet“, na versão brasileira. Não consigo encontrar em nenhuma livraria mas queria muito comprar.)

Não tenho fotos do interior da casa porque era proibido fotografar e eu sou aquele tipo de pessoa nerd que não desobedece as regras. Uma pena, eu queria ter fotografado vários detalhes para mostrar aqui mas estou tendo que me contentar com essas poucas fotos que encontrei na Internet.

Ah, a sala de jantar amarela! 🙂

Ela fica antes da cozinha e é toda, toda amarelinha mesmo, rs. Eu nunca pensei em ter na minha casa um cômodo completamente amarelo, mas Monet não só pensou como teve. As almofadas das cadeiras são xadrez de azul e branco (isso é muito fofo) e há várias porcelanas e gravuras azuis que decoram a sala, fazendo um link com a cozinha ao lado. O piso quadriculado de vermelho e creme era comum nas casas de campo da época naquela região, simples e bonitinho.

Sala de jantar do Monet, com as varandas abertas

Ele usava louças amarelas com azul, para combinar com a cozinha ao lado.

Sala de jantar do Monet

Olha lá a cozinha, através da porta...

Olhando a sala como um todo, parece que pertence a uma casinha de bonecas ou que é uma pintura. Acho que nenhum artista tão cheio de personalidade como Monet teria uma casa que fosse comum, igual às outras. Se as cores escolhidas para a sala e a cozinha foram amarelo e azul, não poderiam ser então cores coadjuvantes. Faz sentido?

Essa sala de jantar parece um sorriso de bom dia. Mesmo nos dias mais frios e nublados, ela brilha, te envolve e te deixa mais aquecido. Sei que o Monet gostava de acordar cedo para começar seus trabalhos, até porque a luz do sol era fundamental para seu estilo de pintura. Às 11:30 em ponto, o almoço era servido. Ele devia gostar mesmo do dia, você não acha?

Desde que voltei de Paris, não paro  de querer ter, um dia, ainda que em menores proporções, uma cozinha azul com cortininhas xadrez e panelas de cobre penduradas. Acho que as pessoas que gostam de cozinhar dão um valor muito grande para a decoração da cozinha e isso deve ser pelo simples fato de que é o cômodo da casa em que mais gostam de ficar. Precisa se sentir bem dentro dela e eu me senti extremamente bem naquela cozinha.

Você, que provavelmente está ainda tomando gosto pelo fogão, vai entender isso jajá. E aí, quando isso acontecer, você acha que gostaria também de ter uma cozinha como a do Monet?

 

Mostre isso pro mundo:

Quem escreve

Criei este blog em 2007 como quem não quer nada e ele se tornou a melhor coisa que já fiz na vida! Aqui eu compartilho tudo o que sei sobre culinária, conto minhas histórias e ajudo quem precisa das primeiras lições na cozinha.

Comments on this entry are closed.

  • sarah

    Monet era um gênio da arte. Sou professora e procuro, sempre que possível, trabalhar com as cores que Monet usava.
    Sorte a sua ter visitado a casa dele e ainda, ter podido eternizar este momento com estas fotos maravilhosas.
    Parabéns e obrigada por compartilhar conosco .

  • Olá Vanessa! Esta é a primeira vez que visito seu blog; minha prima Célia viu o post sobre a casa de Monet e me enviou, porque sabe que também sou uma grande fã do trabalho dele. Amei você ter mostrado a cozinha; já vi várias imagens de Giverny, e estas imagens que postou são uma completa novidade pra mim. Bjs, Tatiana

  • Luciane Jacob

    Vanessa seu blog é incrível. Espero que ele dê tanto prazer a você como dá a todos nós. Embora eu não seja nenhuma estreante na cozinha, (tenho 38 anos e cozinho desde os 13) acho ele muito interessante, principalmente pelo jeito leve que você escreve e dá suas dicas. Sobre este post no qual descreve sua viagem, foi realmente maravilhoso e como você disse, quem gosta de cozinhar dá um extremo valor a decoração da sua cozinha. Sempre estarei aqui para uma visita, espero sempre encontrá-la. Obrigada por dividir seu talento conosco. Bjs.

  • Definitivamente esse site passou a ser um dos meus favoritos! Sou nova na cozinha, pois sempre tive minha mãe por perto já que ela trabalhava em casa, e na verdade nunca me deixou mexer muito na cozinha, vivia dizendo que eu ia fazer muita sujeira! kkk Enfim, ela começou a trabalhar fora de casa agora e sobrou pra mim… então todas essas informações aqui estão sendo muito úteis! Tô adorando…

    E sobre esse post, incrível! Adoro História da Arte, minha mãe também é artista plástica, e Monet é um dos meus favoritos, mas nunca havia visto a casa dele! É simplesmente liiinda, espero que um dia eu possa ir ver de pertinho também, é um sonho! Parabéns pelo blog, continue assim! Um beijo.

  • Cínthia

    Adorei o texto! Muito bem escrito. Conseguiu me transportar para um café da manhã sentada nas almofadas azuis e brancas, sentindo o cheiro de bolo fresco misturado com o perfume do jardim…