A hora do adeus às panelas

Tudo que é material tem um fim. Aquela panela boa, também acaba.

Nem sei quantas vezes vi pessoas apegadas às suas panelas, como se dependessem totalmente delas para cozinhar. É verdade que quando trocamos esses utensílios, precisamos ajustar um pouco o preparo daquelas comidas que estamos acostumadíssimos a fazer com as mesmas medidas e tempo de cozimento, como o arroz, por exemplo. Mas o que há de tão mal nisso? Depois você acerta de novo e pronto.

Quando fui ter a minha casa, ganhei um jogo de panelas de uma amiga. Eram boas panelas e antiaderentes, que me serviram bem por pelo menos 3 anos. Daí pra frente elas começaram a dar sinais de que precisavam de uma aposentadoria, mas eu confesso que custei a enxergar.

Eu me prometi que neste post não vou entrar entrar na questão da qualidade das panelas, dos tipos de revestimentos e quais as melhores opções para nossas cozinhas. Esse é um assunto para outro post e, se tiver interesse nele, deixe seu comentário aqui embaixo. O que quero agora é apenas falar que é preciso dizer adeus.

Mesmo que cuide muito de suas panelas, independente de qual material elas são feitas, algum dia será preciso se desfazer delas. No meu caso, o revestimento antiaderente (do tipo Teflon) começou a se soltar. O pior de tudo é o que vou confessar: custei a admitir que aquelas coisinhas pretas que estavam saindo na minha comida vinham do fundo da panela. Estava na minha cara, mas não sei por qual razão, eu que sou tão cuidadosa com minhas coisas e até com a minha alimentação, não encarei o fato.

Nunca usei utensílios que pudessem arranhar o fundo das panelas, conforme os fabricantes orientam. A única coisa que reconheço ter feito e vou logo dizendo para você evitar, é enfiar a louça suja de qualquer maneira dentro da pia, deixando que talheres eventualmente ficassem dentro das panelas e, possivelmente, arranhando o Teflon. Por estarem cobertos com água, eu não percebia a besteira que estava fazendo. Acho que isso deve ter contribuído muito para que o revestimento se danificasse, portanto: cuidado!

Primeiro joguei fora a maior delas, que era a que mais usava. Depois, foi a frigideira, que eu já tinha separado para fazer tapiocas, exclusivamente. Eu via que as tapiocas ficavam com uns resíduos pretos, mas tentava me convencer de que aquilo era queimado, embora tivesse aspecto de piche. Se você visse, diria: “Vanessa, como assim? Isso é do fundo da panela, olha aqui, ó!”. Agora está indo embora a menorzinha do kit. São poucos arranhões, mas vi os pontos pretos no meio do meu inhame e sei que não tem mais jeito.

Preste atenção: esses revestimentos são tóxicos e por isso estou escrevendo este post para alertar quantas pessoas for possível de duas coisas:

1) Como já disse, tudo que é material acaba. Você vai aproveitar o quanto puder, usufruir daquele produto, evitar que estrague rápido, mas será inevitável que você se desapegue dele um dia, porque tudo tem validade. Igual a gente: por mais que queiramos viver esta vida para sempre, sabemos que o nosso corpo não resiste ao tempo.

2) Faço questão de contar aqui no blog as minhas experiências de fracasso na cozinha para que você saiba que também sou inexperiente na maioria dos assuntos e que cometo muitos erros (com os quais aprendo), o que nos torna pessoas do mesmo barco. O erro de comer revestimento de panela com certeza foi um dos maiores que cometi como cozinheira e, se você puder aprender com o meu exemplo, vai me ajudar a fazer valer um pouco das toxinas que ingeri – e principalmente meu namorado, coitado, uma grande vítima! Não é vergonha nenhuma se você se identificar com o meu relato, apenas pegue suas panelas velhas e jogue-as no lixo! Não doe, elas não vão fazer bem para mais ninguém.

Outra coisa que acontece com panelas antiaderentes é serem esfregadas com esponjas abrasivas, que não são macias e acabarem estragando por conta disso. Indo ao extremo, já vi muitas panelas com revestimento antiaderente preto serem areadas (polidas) com palha de aço até que ele saia e o alumínio brilhe reluzente. Sério, isso inclusive aconteceu na minha casa quando eu era pequena e na casa da minha avó, vários anos depois. As pessoas nunca tinham visto esse tipo de panela e achavam que a cor delas fosse sinal de sujeira, descuido. Aí areavam até perder o braço – e o revestimento – e ainda completavam: “Essa aqui foi duro!”. Bom, se isso é possível, claro que um revestimento pode se soltar a partir de uns arranhões.

Também há a discussão sobre o uso de panelas revestidas com Teflon (o antiaderente mais comum) e outros semelhantes, por esse revestimento ser considerado tóxico. Sob este ponto de vista, quem usa panelas com Teflon já estaria ingerindo substâncias nocivas à saúde, ainda que elas não sejam visíveis no prato. Como falei, não vou entrar nessa discussão, mas não tenha dúvidas de que a ingestão de qualquer partícula de um material que não é comestível, não vai fazer bem.

Como você notou, falei o tempo todo de panelas antiaderentes e a razão disso é que só tenho delas na minha cozinha. Não que eu tenha uma enorme preferência por elas, mas calhou de ser assim até o momento. Tenho também panelas antiaderentes revestidas com material diferente do Teflon, o que as deixa fora daquela discussão. No entanto, elas não estão livres de ficarem danificadas um dia.

Se você usa panelas de ferro, de alumínio, de pedra, de barro, de aço inox (desconfio de muitas delas) ou outra qualquer, saiba que elas também têm fim e que é você quem precisa notar isso.

Toda panela é acompanhada de orientações de uso, seja para prepará-la antes de usar pela primeira vez ou aqueles cuidados que você deve ter em relação às temperaturas e tipo de fonte de calor a que elas podem ser expostas, utensílios que são apropriados para que não comprometa os revestimentos etc. Você precisa observar essas orientações do fabricante e segui-las direitinho. Isso vai fazer com que tenham maior vida útil, mas não vai evitar que estraguem um dia. Pode demorar um tempo enorme para alguns tipos, mas não deixe que essa confiança te vende os olhos, como aconteceu comigo.

Se mesmo depois de tudo que contei, você ainda achar que vale a pena continuar usando panelas antiaderentes que estão perdendo revestimento, saiba que elas não são mais antiaderentes. Isso mesmo, a comida vai começar a grudar. Então, por que insistir nelas?

Vamos oxigenar nossas cozinhas de vez em quando, deixar que o que não está bom vá embora para que outras coisas entrem e tragam novos ares. 🙂

 

PS.: Essa frigideira da foto não é a minha (que já foi para o lixo faz tempo), é de um banco de imagens. Olhe bem para ela, talvez perceba que já viu uma assim na cozinha de alguém ou até mesmo na sua.

Mostre isso pro mundo:

Quem escreve

Criei este blog em 2007 como quem não quer nada e ele se tornou a melhor coisa que já fiz na vida! Aqui eu compartilho tudo o que sei sobre culinária, conto minhas histórias e ajudo quem precisa das primeiras lições na cozinha.

Comments on this entry are closed.

  • Anderson

    Fico triste quando vejo alguém usando esponja de aço numa anti aderente.